Alívio do IRS deveria ser para todos, defende Campos e Cunha

  • ECO
  • 9 Outubro 2017

Luís Campos e Cunha, ex-ministro das Finanças, defende que o alívio do IRS no OE2018 deveria chegar também aos contribuintes com maiores rendimentos.

Luís Campos e Cunha, antigo ministro das Finanças, economista e administrador não-executivo do Santander Totta.MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O antigo ministro das Finanças, Luís Campos e Cunha, defende que qualquer alívio do IRS inscrito no próximo Orçamento do Estado para 2018 deveria ser transversal a todos os contribuintes portugueses, sobretudo aqueles com rendimentos mais altos que, na ótica do economista, foram dos mais penalizados por aumentos de impostos.

Numa entrevista ao Jornal de Negócios (acesso pago) e Antena 1, Campos e Cunha disse que um alívio do IRS, “a haver”, deveria ser “um pouco para todos”. “As pessoas, digamos, menos pobres, dos escalões mais altos, tiveram sobretaxa. Portanto, há cinco ou sete anos, foi-lhes pedido um esforço adicional para ajudar as contas públicas. Esse esforço excecional e que era considerado ser excecional deveria ser tirado pura e simplesmente”, considerou.

Mais: Campos e Cunha, também administrador não-executivo do Santander Totta, alertou que, “agora, retira-se com uma mão e volta a pôr-se com a outra” e que isso “retira a credibilidade das medidas” extraordinárias daqui para a frente. “Se toda a gente acha que um aumento temporário de impostos é permanente, isso é mau”, indicou.

O Governo está a preparar o desdobramento do terceiro escalão do IRS, que abrange rendimentos entre os 20.000 e os 40.000 euros, segundo o Diário de Notícias — uma medida exigida pela esquerda e que trará novamente sete escalões à tabela do IRS. Ainda assim, o ex-ministro prefere aguardar pela divulgação do documento: “Quanto sair o Orçamento, poderemos falar disso mais em concreto”, atirou, durante a entrevista.

Se toda a gente acha que um aumento temporário de impostos é permanente, isso é mau.

Luís Campos e Cunha

Ex-ministro das Finanças

Entre outras coisas, Campos e Cunha, na entrevista ao Negócios e Antena 1, considerou que as decisões do Tribunal Constitucional salvaram a economia e que os portugueses não estão preocupados com os cortes no investimento público — nem dariam por ele se não fossem as notícias que saíram nos jornais.

O economista português disse, por fim, antever um aumento da pressão da esquerda sobre o Governo do PS e que os conselheiros de Passos Coelho fizeram um mau trabalho, tendo em conta que o ainda líder do PSD esteve à espera de uma crise económica que não chegou a existir.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alívio do IRS deveria ser para todos, defende Campos e Cunha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião