Seis candidatos concorrem à operação do Metro do Porto

Dos 26 que levantaram caderno de encargos, apenas seis apresentaram proposta para a subconcessão da operação e manutenção da rede do Metro do Porto. Preço é o único critério para adjudicação.

O Metro do Porto recebeu seis propostas no âmbito do concurso público para a subconcessão da operação e manutenção da rede para o período 2018-2025, adianta a empresa em comunicado.

Barraqueiro, Corporatión Española de Transportes (Avanza), DST, MEAS/Manvia/ME SGPS/MGC (Mota Engil), Neopul e Tansdev são os candidatos a operar o Metro do Porto durante os próximos sete anos. O valor de referência do concurso é de 221 milhões de euros.

Dos grupos que agora apresentaram propostas, destaque para o três grupos nacionais, a Mota-Engil, o grupo DST e o Barraqueiro, que lidera a subconcessionária Via Porto que detém, atualmente, a concessão. Entre os candidatos estrangeiros, o destaque vai para os franceses da Transdev, os vencedores do concurso lançado pelo Executivo de Passos Coelho, mas revertido por António Costa.

O único critério parara seleção do vencedor desta concurso é o preço. O júri do concurso internacional irá agora analisar a admissibilidade das propostas apresentadas devendo dentro de dias apresentar o seu relatório ao Conselho de Administração da Metro do Porto, que o analisará e votará uma decisão de adjudicação.

Seguem-se depois todas as etapas previstas na lei e no programa do concurso, de modo a que o subconcessionário possa iniciar um período de transição no primeiro trimestre do próximo ano e iniciar efetiva e integramente a nova subconcessão no dia 1 de abril de 2018. O caderno de encargos tinha sido levantado por 26 entidades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seis candidatos concorrem à operação do Metro do Porto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião