Advogado de Vara: “Há aqui uma efabulação”

  • Ana Batalha Oliveira
  • 11 Outubro 2017

O advogado do ex-ministro diz que a ligação entre Vara e José Sócrates "não tem qualquer apoio em nenhum facto", pelo que considera "uma efabulação". Armando Vara reagiu "com tranquilidade".

“Há aqui uma efabulação” diz o advogado de Armando Vara, que está sobretudo preocupado com os “prazos totalmente inaceitáveis” previstos em lei para exercer o direito de defesa, tendo em conta a dimensão “sem paralelo” do processo. Afirma ainda o ex-ministro reagiu “com calma, tranquilidade” à acusação no âmbito da Operação Marquês, que “não é nenhuma surpresa como é óbvio”.

Tiago Rodrigues Bastos, advogado de Vara ouvido pela CMTV, assume não ter “uma perceção completa” da acusação, que tem acompanhado através da comunicação social e das notas da PGR. Ainda não tem o processo em mãos, apesar do cliente que representa “já ter sido notificado”. O que pode dizer para já é que “naturalmente há aqui uma efabulação relativamente a um relacionamento ou um conluio entre o Dr. Armando Vara e o Engenheiro Sócrates, que não tem qualquer apoio em nenhum facto que eu esteja recordado que tenha sido referido ao Dr. Armando Vara”.

Naturalmente há aqui uma efabulação relativamente a um relacionamento ou um conluio entre o Dr. Armando Vara e o Engenheiro Sócrates, que não tem qualquer apoio em nenhum facto que eu esteja recordado que tenha sido referido ao Doutor Armando Vara

Tiago Rodrigues Bastos

Advogado de Armando Vara

Da perspetiva do advogado, “o mais importante de tudo é saber quais são os direitos que a defesa vai ter e de que prazos vai dispor para exercer o seu direito de defesa”. Para Tiago Rodrigues Bastos a questão que se impõe é “Se os prazos de três dias, cinco dias, vinte dias são razoáveis para que vocês conhecessem o processo para qualquer ser normal conhecer o processo”. O próprio responde: “Penso que qualquer ser razoável, para não dizer mais, aceitará que estes prazos são totalmente inaceitáveis”. “É preciso saber se vão ser garantidos à defesa os mesmos direitos que foram assegurados à acusação que teve o tempo que quis para exercer a sua atividade”, defende.

"Penso que qualquer ser razoável, para não dizer mais, aceitará que estes prazos são totalmente inaceitáveis””

Tiago Rodrigues Bastos

Advogado de Armando Vara

Depois de falar com o ministro, o advogado afirma que este reagiu “com calma, tranquilidade” pois a acusação “não é nenhuma surpresa como é óbvio”. Quanto à possibilidade de reincidência, tendo em conta a condenação a cinco anos de prisão no caso Face Oculta, Tiago Rodrigues Basto acredita que “não será esse o caso” pois “os factos não têm paralelo uns com os outros. O tipo de crimes que lhe estão a ser imputados não têm nada a ver uns com os outros”.

Armando Vara, ex-ministro socialista e ex-administrador da CGD enfrenta cinco acusações diferentes que se dividem pela prática de crimes de corrupção passiva de Titular de Cargo Político, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Advogado de Vara: “Há aqui uma efabulação”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião