Multicert no mercado colombiano até ao final do ano

  • Lusa
  • 11 Outubro 2017

A empresa de certificação digital portuguesa assinala uma nova etapa. Embora tenha negócios em países como Peru, Grécia, Cabo Verde ou Timor, a Multicert passará a ter presença física na Colômbia.

A Multicert, empresa portuguesa de certificação digital, vai entrar no mercado colombiano até final do ano, disse esta quarta-feira à Lusa o seu presidente, Jorge Alcobia.

“A nossa ideia é abrir até final do ano, através de uma empresa em que teremos a maioria do capital, com parceiro local”, avançou o presidente da empresa que trata da segurança digital dos passaportes eletrónicos e cartões do cidadão em Portugal.

“Estamos a escolher o parceiro que terá até 25% do capital”, acrescentou, salientando que a Multicert na Colômbia vai ter uma designação que “permitirá projetar uma imagem que servirá os mercados” à volta da Colômbia, como o Panamá, Equador ou Bolívia, por exemplo.

Aliás, o responsável admite que a Colômbia poderá servir de plataforma para os mercados da região.

A Colômbia “será o primeiro mercado onde vamos investir diretamente e o qual tem um grande potencial”, acrescentou.

A Multicert tem tido projetos em mercados díspares como Peru, Grécia, Noruega, Cabo Verde, Moçambique ou Timor, mas esta será a primeira vez que vai ter uma presença física fora de Portugal.

O investimento na Colômbia rondará entre meio milhão e um milhão de euros.

A Multicert está a organizar desde terça-feira e até esta quarta-feira uma conferência sobre certificação eletrónica em Bogotá, onde temas como carta de condução eletrónica (disponível no telemóvel) ou passaporte no ‘smartphone’ estarão em debate.

Esta conferência, que no ano passado decorreu em Moçambique, junta vários especialistas do setor e é ainda esperada a presença de governantes colombianos.

No ano passado, a Multicert faturou cerca de cinco milhões de euros, montante esperado também para este ano, já que o foco em 2017 foi o investimento em soluções de cibersegurança.

“Temos investido bastante nesta área”, cerca de meio milhão de euros num centro que monitoriza durante 24 horas, 365 dias por ano, eventuais ataques cibernáuticos nas empresas.

Entre as áreas em que opera, destaque para o tratamento da segurança digital do Cartão do Cidadão e do Passaporte Eletrónico.

A cibersegurança é outra das apostas da empresa portuguesa, que desenvolve soluções que monitorizam os sistemas das empresas.

A desmaterialização de processos de modo seguro – como a abertura de uma conta bancária através do telemóvel – e o voto eletrónico são das outras das áreas de negócio da Multicert.

Por exemplo, as recentes eleições para o conselho geral e de supervisão da ADSE contaram com sistema de voto eletrónico Multicert.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Multicert no mercado colombiano até ao final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião