OE2018: “Investimento público continuará a aumentar”

  • Lusa
  • 11 Outubro 2017

Pedro Nuno Santos recusou-se, no entanto, a especificar quais as matérias ainda em negociação com o PCP e com o Bloco de Esquerda para a viabilização da proposta do Governo de Orçamento do Estado.

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares afirmou esta quarta-feira que a proposta de Orçamento do Estado para 2018 prevê uma taxa de crescimento das maiores do milénio e um aumento do investimento público face a este ano.

Pedro Nuno Santos falava no final da série de reuniões do Governo com os partidos parlamentares para a apresentação das linhas gerais da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2018. Confrontado com o facto de a ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque ter dito que o Governo socialista lhe transmitira que para 2018 se prevê um abrandamento da economia, Pedro Nuno Santos contrapôs: “Teremos a economia a crescer em 2018 como não cresceu durante muitos anos“.

“Será uma das maiores taxas de crescimento do milénio”, advogou o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, antes de atacar o PSD, dizendo que este partido “não estava habituado às taxas de crescimento que atualmente se verificam em Portugal”.

“A economia portuguesa está viva, a crescer, a criar emprego e hoje olha-se para o futuro com esperança e não com o receio que se verificava nos anos da direita”, declarou. Questionado sobre uma eventual redução do investimento público no próximo ano, em comparação com 2017, Pedro Nuno Santos recusou que isso possa estar previsto na proposta orçamental do executivo. “O investimento público continuará a aumentar”, afirmou.

Em relação às negociações com o Bloco de Esquerda, PCP e PEV para a viabilização do Orçamento do próximo ano, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares desdramatizou essas conversações, mas admitiu que “faltam ainda fechar alguns pormenores”. “É sempre assim todos os anos”, comentou.

Os trabalhos estão muito avançados e encontram-se praticamente concluídos. São matérias anunciadas há muito tempo. Já sabíamos desde o início desta maioria que, para o Orçamento de 2018, trataríamos de carreiras e de IRS”, salientou. Neste ponto, Pedro Nuno Santos deixou uma advertência de caráter político, dizendo que estas não são matérias específicas do PCP ou do Bloco de Esquerda.

“São matérias do PCP, do Bloco de Esquerda, do PEV e do PS. Esse é o trabalho que temos feito ao longo dos anos e, felizmente, estamos a conseguir cumprir aquilo que dissemos aos portugueses”, acrescentou. Pedro Nuno Santos optou depois por defender que a breve prazo será apresentado ao país o terceiro Orçamento da atual maioria de esquerda parlamentar. “Será um Orçamento de palavra, que respeita os compromissos assumidos, e de justiça com os trabalhadores, que verão o IRS a aumentar na sua progressividade”, sustentou.

O governante referiu ainda que “será também um Orçamento de justiça com os trabalhadores do Estado, que, ao fim de sete anos, vão ver as suas carreiras descongeladas. É mais um ano de avanço económico e social em Portugal”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OE2018: “Investimento público continuará a aumentar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião