PCP: “Não há orçamentos aprovados à partida”

  • Lusa
  • 11 Outubro 2017

Uma das principais vozes dos comunistas garantiu esta quarta-feira que "não há orçamentos aprovados à partida".

O líder parlamentar do PCP reafirmou esta quarta-feira que “não há orçamentos aprovados à partida” e que vai continuar o “exame comum” entre comunistas e Governo socialista da proposta de lei de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018).

João Oliveira falava a jornalistas à saída de uma reunião com o executivo, no parlamento, a qual considerou o “cumprimento de uma obrigação legal em que o Governo tem de dar conta aos partidos das linhas gerais do orçamento”, esclarecendo que não foram abordados “em concreto e em detalhe” temas como descongelamento da progressão de carreiras no setor público e que não estão definitivamente fechados os aumentos das pensões, seguindo várias matérias “em aberto”.

“Obviamente, faremos a apreciação da proposta de lei [de OE2018] em toda a sua extensão, com todas as suas implicações, para podermos fazer uma apreciação. Mantém-se exatamente o mesmo que aconteceu nos últimos dois anos. Não há orçamentos aprovados à partida. É do exame comum com que nos comprometemos que resultará o nosso posicionamento“, disse.

Contudo, o deputado comunista, acompanhado pelo parlamentar Paulo Sá e o assessor económico Ricardo Oliveira, voltou a reconhecer “avanços” do Governo quanto aos escalões de IRS e ao mínimo de existência e “aproximações” para os aumentos das pensões face às propostas do PCP, após o encontro com o ministro das Finanças, Mário Centeno, e o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos.

João Oliveira destacou ainda “áreas” sinalizadas pelo PCP e consideradas essenciais e prioritárias em termos de investimento público – saúde, educação, transportes, floresta, habitação, cultura e outros serviços públicos -, remetendo mais pormenores para a entrega do OE2018, na sexta-feira, em virtude de mais reuniões e contactos com o Governo, que têm vindo a acontecer, e vão continuar até sexta-feira.

PEV espera mais PIB e menos desemprego, mas alerta para fatores externos

O deputado de “Os Verdes” José Luís Ferreira traçou esta quarta-feira um cenário macroeconómico da proposta de Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) do Governo por um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) e descida do desemprego. “Vamos ter um orçamento cuja estimativa é de um aumento do PIB, a continuação da dinamização da economia, com crescimento, com menos desemprego, uma taxa de desemprego a descer. Foram as linhas essenciais transmitidas”, disse o deputado, à saída da reunião.

O parlamentar congratulou-se por não ir haver “aumento de impostos para os rendimentos do trabalho” e com “o reforço da natureza progressiva do IRS, com mais dois escalões”, passando de cinco para sete, o que “vai naturalmente favorecer os rendimentos mais baixos”. “Chamámos a atenção do Governo para a necessidade de acautelar aquilo que é fundamental: se a economia está a crescer, esse crescimento tem de se refletir na vida material das pessoas, das famílias e de quem trabalha“, vincou.

José Luís Ferreira avisou ainda para a necessidade de diminuição no documento de “elementos ou fatores externos que o Governo não domina” e que “contribuem” para o atual bom desempenho económico como “a baixa do preço do petróleo”, “a baixa da taxa de juro”, “o desempenho das economias destinatárias das exportações” e “o turismo”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP: “Não há orçamentos aprovados à partida”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião