Juncker não quer “Europa de 98 Estados”. Rejeita mediação com a Catalunha

  • ECO
  • 13 Outubro 2017

Jean Claude Juncker descarta novamente o apoio da Comissão Europeia à Catalunha caso seja declarada a independência. O presidente alerta para a insustentabilidade de uma UE com cada vez mais Estados.

A posição de Junkcer não é segredo e volta a ser divulgada. O presidente da Comissão Europeia defende novamente que a UE não apoia a independência catalã do Estado espanhol. “Não queria que dentro de 15 anos a UE fosse formada por 98 estados. É difícil com 28, não será mais fácil com 27, mas com 98 penso que seria impossível”, disse Juncker em Bruxelas esta sexta-feira, citado pelo El Mundo.

No início de outubro, a Comissão Europeia já tinha delegado a gestão da situação com a Catalunha ao Governo espanhol. Já por essa altura as instâncias europeias admitiam que o referendo de 1 de outubro tinha sido ilegal e que não apoiariam a Catalunha. A região ficaria de fora da UE, e as instituições europeias apenas interviriam na comunidade caso o governo espanhol assim pedisse.

Jean-Claude Juncker apelou recentemente a um “sentido de responsabilidade” por parte de todos os intervenientes no clima de agitação na Catalunha, e que não era dever da Comissão Europeia interferir neste tipo de situações. “Se a Comissão, o presidente Tusk e o Conselho Europeu fossem nessa direção, quando apenas uma das partes pede para que haja mediação, haveria sérias disrupções na UE“, explicou Juncker junto de estudantes universitários.

Carles Puigdemont já tinha pedido a mediação internacional. O governador regional disse que a Europa não podia “desviar o olhar daquilo que está a acontecer”, visto que “o que se passa na Catalunha é um assunto europeu”.

Do lado do FMI houve um apelo às negociações entre a região e Madrid. O Fundo Monetário reconheceu que a situação que se vive em Espanha é “preocupante”, e alerta para um “contágio” da instabilidade política para o resto da Europa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juncker não quer “Europa de 98 Estados”. Rejeita mediação com a Catalunha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião