E depois de Puigdemont? Catalunha pode perder a autonomia

Rajoy reúne o Governo espanhol esta quarta-feira para decidir o que fazer, depois do discurso de Carles Puigdemont no parlamento catalão que Madrid interpretou como uma declaração de independência.

Mariano Rajoy deverá responder esta quarta-feira ao discurso de Carles PuidgemontWikimedia Commons

O Governo espanhol prepara-se para responder ao discurso de Carles Puigdemont, presidente da Catalunha, proferido esta terça-feira perante o parlamento catalão. E embora não tenha ficado claro que tenha sido feita uma declaração de independência, Madrid não tem dúvidas de que é preciso reagir. Segundo o jornal El Confidencial, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, responderá esta quarta-feira — e não está afastada a hipótese de ser ativado o artigo 155 da Constituição, que retira a autonomia àquela região.

As palavras de Carles Puigdemont receberam diferentes interpretações políticas e até da imprensa. Por um lado, há quem tenha ouvido uma clara declaração de independência. Por outro, há quem aponte que Puigdemont recuou nas intenções para abrir novos canais de diálogo. De uma forma ou de outra, duas coisas são certas: as ambições independentistas nunca tiveram tanta força, mas o discurso parece não ter agradado nem a gregos nem a troianos (melhor: nem a espanhóis nem a catalães).

Logo após o discurso de Puigdemont ao final da tarde desta terça-feira, o El País avançou que a declaração tinha soado a um rompimento claro com Espanha aos ouvidos de Madrid. Sobretudo, por causa de duas frases muito concretas ditas no parlamento:

  1. “Como resultado do referendo, a Catalunha ganhou o direito a ser um Estado independente.”
  2. “Assumo o mandato do povo para que a Catalunha se converta num Estado independente em forma de República.”

Mas, logo a seguir, Puigdemont pareceu ter recuado, pedindo a suspensão dos efeitos do referendo de 1 de outubro em que, garantiu, o “sim” à independência venceu com maioria absoluta. Ora, com ou sem recuos, terá sido a gota de água para o Governo de Mariano Rajoy.

O El Confidencial avança que foi agendado um Conselho de Ministros extraordinário para esta quarta-feira em que serão decididos os próximos passos a serem tomados pelo Governo espanhol. Rajoy também deverá fazer uma declaração pública.

Da reunião poderá sair a decisão de invocar a Lei da Segurança Nacional e ativar o artigo 155 da Constituição, que indica que se uma comunidade autónoma “não cumprir as obrigações que a Constituição e outras leis lhe imponham, ou agir de forma que atente gravemente contra o interesse geral de Espanha”, o Governo pode “adotar as medidas necessárias para a obrigar ao cumprimento forçoso das dias obrigações ou para proteção do interesse geral”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E depois de Puigdemont? Catalunha pode perder a autonomia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião