Catalunha: Estados Unidos querem “uma Espanha forte e unida”

  • Lusa
  • 12 Outubro 2017

O secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson disse que os Estados Unidos apoiam "uma Espanha forte e unida", numa altura em que Espanha celebra o Dia da Festa Nacional em plena crise catalã.

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, insistiu na quarta-feira que os Estados Unidos “apoiam uma Espanha forte e unida”, aproveitando a mensagem de felicitação ao povo espanhol que celebra hoje o Dia da Festa Nacional.

“Ao celebrarem hoje [o dia da Festa Nacional], saibam que os Estados Unidos valorizam a nossa parceria duradoura e apoiam uma Espanha forte e unida”, afirmou Rex Tillerson em comunicado, numa referência à questão independentista na Catalunha.

O chefe da diplomacia norte-americana insistiu que “os Estados Unidos e Espanha são grandes amigos e aliados próximos”, e recordou a visita do primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, à Casa Branca, onde se reuniu com o Presidente norte-americano, Donald Trump, há duas semanas. “Como afirmou o Presidente [Trump] durante o seu encontro de 26 de setembro com o Rajoy, a profunda relação entre os nossos povos é uma base sólida para uma cooperação duradoura”, sublinhou Tillerson.

“Os nossos laços, a cultura e o comércio remontam há muitos séculos e continuam a aprofundar-se. Somos aliados e parceiros nos esforços para travar o terrorismo, melhorar a segurança global, apoiar a prosperidade económica e para garantir que as pessoas de todo o mundo possam viver em liberdade e em paz”, frisou.

Espanha celebra esta quinta-feita, 12 de outubro, o Dia da Festa Nacional, mas este ano em plena crise pelo desafio da Catalunha, cujo desenlace ainda se encontra em suspenso. O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, deu na quarta-feira cinco dias ao presidente regional catalão, Carles Puigdemont, para clarificar se declarou ou não a independência na região. Segundo fonte governamental citada pela AFP, Puigdemont tem até segunda-feira para dizer se, no seu discurso de terça-feira no parlamento regional catalão, fez uma declaração de independência ou não.

Caso Puigdemont confirme que declarou a independência da Catalunha, Madrid dar-lhe-á um prazo suplementar — até ao próximo dia 19 — para fazer marcha atrás, antes de recorrer ao artigo 155.º da Constituição, que permite ao governo espanhol suspender a autonomia da região.

Rajoy advertiu, na quarta-feira, no Congresso dos Deputados (parlamento nacional espanhol), Puigdemont de que não há mediação possível entre a lei democrática e a desobediência, sublinhando que está nas mãos do líder independentista o restabelecimento “da normalidade institucional”. O artigo 155.º da Constituição espanhola, nunca usado desde que o texto fundamental foi escrito e aprovado em 1978, permite a suspensão de uma autonomia e dá ao Governo central poderes para adotar “as medidas necessárias” para repor a legalidade.

No seu discurso de terça-feira, Puigdemont disse que assumia o mandato dado pelo povo catalão [na sequência do referendo de 01 de outubro, considerado ilegal pela justiça espanhola] para que a Catalunha seja um “Estado independente”, mas propôs ao Parlamento suspender os efeitos de uma declaração de independência – que nunca referiu explicitamente – por “algumas semanas” para facilitar um diálogo com Madrid.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catalunha: Estados Unidos querem “uma Espanha forte e unida”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião