Lucros das empresas vão financiar Segurança Social

Governo quer consignar uma parte das receitas provenientes do IRC ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social.

A partir do próximo ano, uma parte das receitas do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC) vai servir para financiar a Segurança Social. A medida consta da proposta do Orçamento do Estado para 2018, que prevê a consignação de dois pontos percentuais das taxas previstas no Código do IRC ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS).

“Constitui receita do Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS), integrado no sistema previdencial de capitalização da segurança social, o valor correspondente a 2 p.p. das taxas previstas no Capítulo IV do Código do IRC”, refere o documento.

Esta consignação vai ser feita de forma faseada, até 2021, sendo que uma parte avança já no próximo ano. O faseamento será o seguinte:

  • 0,5 pontos percentuais em 2018;
  • 1 ponto percentual em 2019;
  • 1,5 pontos percentuais em 2020;
  • 2 pontos percentuais em 2021.

“Em 2018, é transferida para o FEFSS 50% da receita de IRC consignada nos termos do presente artigo (…). Em 2019, é transferida para o FEFSS a diferença entre o valor apurado da liquidação de IRC, relativa ao ano de 2018, deduzida da transferência efetuada nos termos do número anterior”, detalha ainda a proposta.

A utilização das receitas de IRC para financiar a Segurança Social é uma ideia defendida há já muito tempo pelo ministro das Finanças. Em 2015, o cenário macroeconómico que serviu de base ao programa eleitoral do PS, elaborado por Mário Centeno e outros economistas, já defendia a consignação de parte da receita de IRC ao FEFSS. Nesse relatório, os economistas defendiam uma consignação maior do que aquela que acaba por surgir agora na proposta de Orçamento do Estado: quatro pontos percentuais da receita de IRC, em vez de dois, com uma aplicação faseada em três anos, em vez de quatro. Esse relatório previa ainda a criação de imposto sucessório para heranças de valor superior a um milhão de euros, também para financiar a Segurança Social, uma medida que, pelo menos para já, não consta da proposta de Orçamento do Estado.

Também Vieira da Silva, ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, já tinha defendido, este ano, a “taxação dos lucros” no âmbito da diversificação das fontes de financiamento da Segurança Social, ressalvando que “isso não deve significar um aumento da taxação global sobre a economia”.

Notícia atualizada às 13h15 com mais informação.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros das empresas vão financiar Segurança Social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião