Pressão na Catalunha leva Governo espanhol a rever em baixa previsão para o crescimento

  • Rita Atalaia
  • 17 Outubro 2017

O impasse em torno da independência da Catalunha obrigou Madrid a rever em baixa a projeção para o crescimento. Prevê agora uma expansão de 2,3% quando antes contava com uma subida de 2,6%.

Como esperado, o Governo reduziu a previsão para o crescimento no próximo ano. Um corte que já tinha sido sinalizado pelo Governo espanhol, numa altura em que se mantém a incerteza em torno da independência da Catalunha. Depois de um referendo, a região autónoma suspendeu os efeitos de uma declaração de independência à espera de diálogo com o Governo de Mariano Rajoy.

A economia de Espanha vai crescer 2,3% no próximo ano em vez de 2,6%, como estava previsto, afirmou o Ministério das Finanças espanhol num comunicado enviado por email e citado pela Bloomberg. O ministério justifica a sua decisão com o impacto do impasse político na Catalunha, que é responsável por um quinto do crescimento de Espanha.

Esta escalada da crise política acabou mesmo por levar o Tribunal Nacional em Madrid a ordenar a prisão de dois líderes separatistas catalães. Esta segunda-feira, a juíza Carmen Lamela deu ordem de prisão a Jordi Sanchez e Jordi Cuixart, líderes de dois grupos que lideraram a campanha da independência da Catalunha, por suspeitas de sedição. Já Josep Lluis Trapero, chefe da polícia catalã, teve de entregar o seu passaporte e ficou obrigado a comparecer no tribunal em Madrid de duas em duas semanas.

“Infelizmente, temos novamente presos políticos”, disse o Presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, no Twitter. “Estão a tentar prender ideias, mas tornam a necessidade de liberdade ainda maior”, acrescentou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pressão na Catalunha leva Governo espanhol a rever em baixa previsão para o crescimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião