Altice mais voltada para Portugal e com vontade de investir

A dona da PT/Meo assumiu compromissos que reforçam a ligação ao país, como a criação de emprego qualificado, a continuidade do investimento e mais casas com cobertura de fibra ótica.

A Altice está in love com Portugal — ou, pelo menos, é essa a imagem que quer passar. O grupo que detém a Meo juntou vários jornalistas em Lisboa num encontro com altos cargos da empresa, onde assumiu vários compromissos que reforçam a atividade da multinacional em território português.

É na capital portuguesa que o grupo realiza, este ano, o seu Encontro Mundial de Líderes. Por outras palavras, centenas de altos cargos executivos da companhia, vindos de diversas geografias, estão reunidos em Lisboa, incluindo o fundador Patrick Drahi, numa atividade anual que serve para acertar agulhas ao nível estratégico e de operações. A área do encontro é o Parque das Nações, mais propriamente a Meo Arena que, desde esta segunda-feira, se chama Altice Arena, anunciou Cláudia Goya, presidente executiva.

Depois de fazer um balanço sobre a situação dos incêndios, a líder da PT/Meo passou a palavra a Michel Combes, presidente executivo do grupo. Sobre os compromissos, Combes indicou que a PT é “uma forte empresa irmã para todos os ativos” do grupo, sublinhando a importância do Altice Labs em Aveiro na inovação e na tecnologia desenvolvidas pela empresa. É, como a Altice indica tantas vezes, o polo de inovação do grupo para todos os mercados em que opera.

Por isso, para Combes, o encontro representa “uma boa oportunidade” para explicar os compromissos da Altice para com o país e, também, para transmitir internamente a forma como a empresa espera “executar a estratégia de convergência entre telecomunicações, media e publicidade”.

Empresa de braço dado com o investimento e os conteúdos

Cláudia Goya retomou para assumir os tais compromissos. Desde logo, “a Altice está comprometida em investir no país, massivamente, em redes e infraestruturas de futuro”. Reiterou ainda o objetivo de chegar às 5,3 milhões de casas com fibra ótica até 2020 e de implementar o 5G, a nova geração de rede móvel. Além disso, garantiu que, desde que a PT foi comprada pela Altice, o grupo já investiu no país mais de mil milhões de euros.

Outro compromisso é a exportação de tecnologia e conhecimento made in Portugal, assim como na promoção do empreendedorismo e na abertura de portas lá fora às startups portuguesas. “A Altice vai implementar fibra made in Portugal em todos os territórios [em que opera] já a partir do próximo ano”, disse.

Por fim, a empresa mostrou-se ainda comprometida na “promoção da criação dos melhores conteúdos em português”, numa altura em que está em curso o processo de compra da Media Capital, dona da TVI e que também detém a produtora Plural.

“É importante para nós estarmos comprometidos com a criação e conteúdos não só portugueses mas em Portugal. Acreditamos que sabemos fazê-los”, disse Cláudia Goya aos jornalistas. E reiterou que isso será feito da “forma ética e plural” com que, diz, o grupo trabalha “todos os dias”. “É desta forma que pretendemos olhar para os conteúdos portugueses feitos em Portugal”, concluiu.

Na lista dos compromissos está ainda a criação de “emprego qualificado” no país, nomeadamente 4.000 empregos em call centers, 2.000 empregos “diretos e indiretos” na expansão da rede de fibra ótica e a contratação de meio milhar de jovens recém-licenciados até 2020 para funções como cientistas de dados ou analistas, entre outras.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice mais voltada para Portugal e com vontade de investir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião