Material desaparecido em Tancos encontrado na Chamusca

A Polícia Judiciária Militar recuperou o material alegadamente roubado na base militar de Tancos. Ministro da Defesa vai ao Parlamento de urgência, a pedido do PS.

Quase todo o material militar de guerra furtado nos paióis de Tancos, Santarém, foi recuperado esta quarta-feira a 21 quilómetros do local, na Chamusca, cerca de três meses e meio depois de o Exército ter divulgado o roubo, em 29 de junho. O trabalho de verificação do material encontrado ainda não está concluído, mas já é possível confirmar que faltam as munições de nove milímetros, disse à Lusa fonte ligada à investigação.

O material foi recuperado na região da Chamusca, segundo a RTP. Em causa estão 44 armas de guerra, granadas e explosivos. Terá existido uma denúncia anónima durante a madrugada desta quarta-feira. Contudo, a Polícia Judiciária não conseguiu recuperar as munições. A denúncia pública de que o material teria desaparecido ocorreu no final de junho. Fonte oficial da PJM confirmou ao ECO que o armamento foi recuperado.

De acordo com a estação de televisão, a investigação da PJ foi feita em colaboração com o núcleo de investigação criminal da GNR de Loulé. Já o Público avança que, segundo uma fonte militar, o material foi quase todo encontrado, exceto “algumas munições”.

Numa primeira reação, fonte oficial do Ministério da Defesa Nacional assinalou a relevância da recuperação do material e frisou que é preciso aguardar pela “conclusão da investigação criminal em curso para se conhecerem todos os contornos relativos ao furto”.

A Polícia Judiciária Militar (PJM) tem como missão investigar crimes estritamente militares e de crimes cometidos no interior de unidade, estabelecimento ou órgãos militares. A PJM é um órgão de polícia criminal do Ministério da Defesa. Segundo a Lusa, a Polícia Judiciária Militar informou esta quarta-feira que intercetou na região da Chamusca, distrito de Santarém, o material roubado da base de Tancos.

De acordo com o comunicado, “o material recuperado já se encontra nos Paióis de Santa Margarida, à guarda do Exército, onde está a ser realizada a peritagem para identificação mais detalhada”. O Exército tinha decidido encerrar os paióis nacionais de Tancos, optando por concentrar o material nas instalações de Santa Margarida e admitindo armazenar algum material nos paióis dos outros ramos, em caso de necessidade.

Em sequência deste comunicado, o PS anunciou que vai chamar com caráter de urgência o ministro da Defesa, José Azeredo Lopes, à Comissão Parlamentar de Defesa, na sequência da interceção pela Polícia Judiciária Militar do material roubado na base de Tancos. Este requerimento da bancada socialista foi transmitido à agência Lusa por fonte oficial da direção do Grupo parlamentar do PS.

Em reação a esta notícia, no Parlamento, Pedro Passos Coelho afirmou que este é também “um caso de falhanço do Estado”. “Espero que o Governo não tenha dúvidas sobre o que aconteceu“, afirmou o ex-primeiro-ministro e atual deputado do PSD, em declarações transmitidas pela RTP.

Já o líder parlamentar do PCP, João Oliveira, questionado sobre o assunto, preferiu não reagir.

Do desaparecimento em junho ao (re)aparecimento em outubro

No final de setembro, o semanário Expresso revelou um relatório do serviço de informações militares sobre o caso dos Paióis Nacionais de Tancos onde se pode ler que Azeredo Lopes, ministro da Defesa, agiu “com ligeireza, quase imprudente”, revelando uma “arrogância quase cínica”. O documento revela ainda que o assalto revela “fragilidade de liderança e da capacidade de gestão de crise, quer ao nível militar, quer ao nível político”.

O ministro da Defesa chegou a dizer, em entrevista, que, “no limite pode não ter havido furto”. Azeredo Lopes admitiu não saber “se alguém entrou em Tancos”.

Em julho, o Ministério Público tinha decidido abrir um inquérito ao caso de Tancos, na sequência de terem sido levantadas suspeitas de tráfico de armas e terrorismo internacional. “Estão em causa, entre outras, suspeitas da prática dos crimes de associação criminosa, tráfico de armas internacional e terrorismo internacional”, afirmava a Procuradoria-Geral da República.

Eis a lista do material roubado:

  • 1450 cartuchos de 9 mm
  • 22 bobinas de fio para ativação por tração
  • 1 disparador de descompressão
  • 24 disparadores de tração lateral multidimensional inerte
  • 6 granadas de mão de gás lacrimogéneo CS/ MOD M7
  • 10 granadas de mão de gás lacrimogéneo CM Anti-motim M/968
  • 2 granadas de mão de gás lacrimogéneo triplex CS
  • 90 granadas de mão ofensivas M321
  • 30 granadas de mão ofensivas M962
  • 30 granadas de mão ofensivas M321 (em corte para instrução)
  • 44 granadas foguete antitanque carro 66 mm com espoleta M4112A1 com lançamento M72A3- M/986 LAW
  • 264 unidades de explosivo plástico PE4A
  • 30 CCD10 (carga de corte)
  • 57 CCD20 (carga de corte)
  • 15 CCD30 (carga de corte)
  • 60 iniciadores IKS
  • 30,5 lâminas KSL (Lâmina explosiva)

(Notícia atualizada pela última vez às 16h25 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Material desaparecido em Tancos encontrado na Chamusca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião