Ryanair, Google e eDreams chegam a acordo sobre anúncios online

  • Lusa
  • 19 Outubro 2017

Após um processo em que a Ryanair acusava as duas outras empresas de promoverem preços mais altos, as três chegam a um acordo que dizem beneficiar os consumidores.

A companhia aérea Ryanair chegou a acordo com os motores de pesquisa Google e eDreams num processo legal. A Ryanair queixou-se de que a eDreams estaria a cobrar a mais pelos voos através de uma ligação enganosa que parecia remeter para o site da transportadora, comportamento que a Google estaria a facilitar. Agora chegam a um acordo que dizem beneficiar os consumidores, embora não revelem as condições.

Em comunicado, estas entidades informam que o acordo “põe fim” ao processo, que foi interposto pela Ryanair, no alto tribunal irlandês, contra a Google e a eDreams e que é referente “aos anúncios ‘online’ da eDreams e à plataforma Google AdWords”.

"A Ryanair, a Google e a eDreams chegaram agora a uma solução, que vai beneficiar os consumidores de toda a Europa”

Ryanair, eDreams e Google em comunicado

Em 2015, a Ryanair acusou a Google de permitir que a eDreams atuasse como “traiçoeira”, ao criar ‘sites’ que remetiam para a transportadora (como www.Ryanair.eDreams.com) para vender bilhetes de avião a preços mais altos do que aqueles que eram praticados na página da internet da companhia aérea irlandesa.

O responsável pelo departamento de ‘marketing’ da Ryanair, Kenny Jacobs, referiu que “estas medidas vão garantir transparência em relação à publicidade ‘online’ de tarifas aéreas, para benefício dos clientes”. “A Ryanair, a Google e a eDreams chegaram agora a uma solução, que vai beneficiar os consumidores de toda a Europa”, garantem, ressalvando que as condições deste acordo são confidenciais.

Citados pelo comunicado divulgado esta quinta-feira, representantes destas empresas afirmaram estar “muitos satisfeitos” por terem chegado a acordo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair, Google e eDreams chegam a acordo sobre anúncios online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião