Juros implícitos no crédito da casa caem em setembro. Prestação média mantém-se

A taxa de juro implícita no crédito à habitação recuou em setembro, para os 1,009%, reaproximando-se do mínimo histórico de junho. Já a prestação média vencida manteve-se nos 239 euros, indica o INE.

A taxa de juro implícita no crédito à habitação recuou em setembro, reaproximando-se do mínimo histórico de junho. Já a prestação média vencida manteve-se inalterada, indicam dados revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), esta sexta-feira.

De acordo com o gabinete de estatísticas público, a taxa de juro média nos contratos de crédito caiu para 1,009% nesse mês, face aos 1,014% que se registaram em agosto. Tratou-se da primeira vez nos últimos quatro meses em que essa taxa recuou, com esta a reaproximar-se dos 1,007% que representa o mínimo do histórico do INE que remonta ao início de 2009. Apesar da diminuição da taxa de juro, essa não se repercutiu numa quebra da prestação média vencida que se manteve nos 239 euros, em setembro.

Mais acentuada foi a quebra que e verificou nos contratos celebrados nos últimos três meses, em que a taxa de juro baixou 1,9 pontos base, para os 1,677%. Em agosto a taxa nos contratos com estas características tinha sido de 1,696%. Por sua vez, a prestação média vencida nesses contratos de crédito fixou-se nos 323 euros, o que corresponde a um agravamento de sete euros face ao valor registado no mês anterior.

Já o capital médio em dívida, para a totalidade dos contratos, diminuiu 39 euros face ao mês anterior, para 51.521 euros, em setembro.

(Notícia atualizada às 11h34 com mais informação)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros implícitos no crédito da casa caem em setembro. Prestação média mantém-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião