PS reforça sanções às empresas que não respeitem descanso dos trabalhadores

  • ECO
  • 20 Outubro 2017

Os socialistas alteraram o projeto de lei que regula o "direito a desligar" dos trabalhadores. Quer reforçar sanções às empresas que não respeitem, mas telemóveis têm de continuar ligados.

O PS reformulou a sua proposta para que os trabalhadores se mantenham contactáveis durante as férias. Os socialistas continuam a defender que quem vai de férias deve manter o telefone ligado, mas agora, em resposta às críticas do Bloco de Esquerda e PCP, reforçaram as penalizações para as empresas que violem o direito dos trabalhadores a “desligarem do trabalho”.

Segundo o Público (acesso condicionado), o documento reformulado entregue pelo PS no Parlamento, e que vai ser discutido esta sexta-feira em plenário, propõe que a violação do direito ao descanso passe a ser uma contraordenação grave, em vez de leve. E que o empregador adote um regulamento unilateral para definir o que são as “exigências imperiosas de funcionamento” e não apenas a utilização de ferramentas digitais no âmbito da relação laboral, como estava previsto na proposta inicial.

“Sabemos que existem empresas que contactam abusivamente o trabalhador no seu período de descanso e queremos dizer que isso é proibido e que, para acontecer, tem de constituir uma exigência imperiosa”, afirma o deputado socialista Tiago Barbosa Ribeiro ao Público. “O nosso objetivo é inscrever o direito a desligar no enquadramento legal e reforçar os mecanismos de combate a esta prática”, acrescenta.

Esta alteração acontece depois de a primeira versão ter gerado “alguma incompreensão”, refere o deputado do PS. Bloco de Esquerda e PCP disseram logo à partida que iriam votar contra o projeto de lei do PS que regula o uso de ferramentas digitais no período de descanso dos trabalhadores. Se, por um lado, a deputada do PCP Rita Rato afirmou que “abre um caminho perigoso e perverso relativamente à desregulação do horário”, por outro, o deputado do Bloco José Soeiro defende que o documento “vem dar cobertura normativa à invasão do tempo de descanso dos trabalhadores”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS reforça sanções às empresas que não respeitem descanso dos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião