Nesta falsa cidade, a Uber testa carros que se conduzem sozinhos

A Uber tem uma cidade falsa nos EUA onde treina os seus veículos para conduzirem de forma autónoma. Já há carros destes desde o ano passado nas ruas norte-americanas.

A Uber tem estado a testar os seus carros autónomos numa espécie de cidade falsa, construída em Pittsburgh. Numa área com cerca de mil metros quadrados, vários carros da empresa percorrem as pistas do recinto sem necessitarem de um condutor. Durante as provas os carros são testados, com rotundas, peões falsos e estruturas que dificultam os percursos.

Em Pittsburgh, nos Estados Unidos, a Uber tem o seu cantinho onde tem estado a desenvolver os seus carros autónomos, que não precisam de condutor. Chama-se ALMONO e fica localizada ao longo do rio Monongahela, em Hazelwood. Parece mesmo uma cidade, só lhe falta realmente ser: tem uma rotunda gigante, carros falsos, manequins que se fazem passar por peões e saltam para o meio da rua sem avisar, estruturas que dificultam os percursos e se assemelham a edifícios, semáforos, etc..

Atualmente, a ALMONO ocupa uma área de 1.022 metros quadrados, mas a Uber avançou com um pedido ao Governo de Hazelwood, em março deste ano, para expandir a sua pequena cidade em mais 1.200 metros quadrados. Esse pedido é a prova da importância que a pista de treino representa para a empresa, fundamental para integrar os carros autónomos na realidade, mas também para treinar os condutores de segurança que estão dentro dos automóveis, preparando-os para o inesperado.

Temos obstáculos e manequins que se movimentam e podem atravessar a rua, colocando-se em frente aos carros. E temos também outros veículos que se aproximam de nós“, disse Rick McKahan, um condutor dos veículos de teste da Uber. “Na maior parte das vezes, simulamos situações muito piores do que aquelas que aconteceriam na via pública”.

Os carros conduzem-se sozinhos, é verdade. É para isso que a Uber tem andado a treinar. No entanto, a empresa exige que, no interior do veículo, estejam sempre dois condutores de segurança, nos bancos da frente, para conseguirem controlar o carro em caso de perigo de acidente ou descontrolo. O programa de treino dos condutores é bastante rigoroso, levando cerca de três semanas até estes conseguirem passar no teste, que inclui avaliações escritas e testes rodoviários. Ainda não há dados certos sobre o número de condutores de segurança. No entanto, um representante da Uber adiantou que rondam as “centenas”.

Em dezembro do ano passado, poucos dias depois de terem começado os testes nas ruas dos Estados Unidos, um taxista filmou um carro autónomo da Uber a passar um sinal vermelho, na cidade norte-americana de São Francisco. Esta situação foi justificada pela empresa como “um erro humano”, mas não tardou até surgir uma utilizadora do Twitter a alegar que um carro Uber quase tinha batido no seu. Ainda que tenha alegado que não tinha culpa, a empresa defendeu-se dizendo que os condutores de segurança ainda são precisos, exatamente para evitar situações dessas.

Veja aqui como funciona uma viagem destas:

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nesta falsa cidade, a Uber testa carros que se conduzem sozinhos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião