Inspire: Web Summit vai oferecer 10.000 meios bilhetes

Programa dirigido a pessoas com menos de 23 anos vai multiplicar-se. De 6.000 passam para 10.000 bilhetes oferecidos.

Paddy Cosgrave, CEO do Web Summit, e Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia.Paula Nunes/ECO

O Web Summit vai voltar a apostar nos assistentes mais novos e acaba de anunciar que oferecerá bilhetes de meio dia a 10.000 jovens entre os 16 e os 23 anos. As candidaturas já estão a decorrer online. Para se inscrever basta aceder ao site do evento. Os bilhetes terão um preço simbólico de 7,50 euros.

“Cresci numa quinta e, para quem como eu fez isso, acho que a palavra empreendedor não existia. As aspirações eram ir para a faculdade, arranjar um emprego estável e trabalhar por conta de outra pessoa. O programa Inspire serve para dar uma ideia da quantidade de inspiração. É muito importante que para estes jovens que não têm a hipótese de ir ao Web Summit, possam ter uma pequena amostra do que eles podem encontrar, pessoas que fazem coisas incríveis no mundo inteiro”, explicou Paddy Cosgrave, CEO do Web Summit, esta tarde no Ministério da Economia, em Lisboa.

Os bilhetes estarão disponíveis para o palco principal do evento, onde decorrem as conferências com os principais oradores do evento.

A organização alerta para o facto de quanto mais pessoas os candidatos derem como referências, mais hipóteses têm de ganhar o bilhete para o evento. O Web Summit decorre pela segunda vez em Lisboa, entre 6 e 9 de novembro, na FIL e no Meo Arena, em Lisboa.

Para a edição deste ano são esperadas mais de 60.000 pessoas em Lisboa, entre os quais 1.100 investidores. “É uma oportunidade que Portugal tem aproveitado e tem sabido aproveitar. O trabalho de coordenação inclui questões de transportes, segurança, logística, que estão a ser coordenadas em termos de equipa. E também de valorizar ao máximo este evento junto das comunidades de investidores e empreendedores”, sublinhou o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

“Não queremos lugares vagos”

Paddy Cosgrave diz que, a duas semanas da inauguração do segundo Web Summit em Lisboa, a organização do evento está à espera de mais de 60.000 pessoas. O CEO do Web Summit assegura: “Não queremos ver ‘lugares vagos’, sabemos que isso não é bom”.

Questionado sobre o número de bilhetes vendidos até ao momento, Cosgrave disse que a “capacidade” do espaço que acolhe o evento está preenchida. Sobre a continuação do evento em Lisboa para lá dos três anos negociados pelo Governo e pelo Web Summit — que terminam em novembro de 2018, Cosgrave disso que adora a cidade. “Eu gostava de ficar aqui mais e mais anos. Alcançámos o número de 60 mil pessoas. Mas temos de pensar em alternativas ao espaço, que agora está já completo”.

Notícia atualizada às 16h25 com declarações de Paddy Cosgrave e Manuel Caldeira Cabral, depois da conferência de imprensa no Ministério da Economia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inspire: Web Summit vai oferecer 10.000 meios bilhetes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião