Definição de renda acessível vai depender “sempre do rendimento das famílias”

O Governo avançou com um Programa de Arrendamento Acessível que não deixa claro o que são "rendas acessíveis". A secretária de Estado da Habitação vem agora esclarecer esse ponto.

Ana Pinho, secretária de Estado da Habitação à entrada da Comissão de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação.Paula Nunes / ECO

É uma das principais dúvidas relativamente à Nova Geração de Políticas de Habitação, programa aprovado pelo Governo para dar resposta às dificuldades de acesso a habitação: o que é uma renda acessível? Esta terça-feira, a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, esclareceu que esse conceito será sempre definido de acordo com o rendimento das famílias, ainda que alguns programas prevejam que possa ser considerada acessível uma renda que esteja 20% abaixo do preço de mercado.

Um dos programas criados no âmbito da Nova Geração de Políticas de Habitação é o Programa de Arrendamento Acessível, que oferece benefícios fiscais aos proprietários que pratiquem rendas mais baixas. Estes proprietários poderão beneficiar de uma isenção da tributação sobre os rendimentos prediais, além de uma redução de, pelo menos, 50% do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), podendo ficar mesmo isentos do pagamento deste imposto, por decisão da Assembleia Municipal.

Contudo, no documento atualmente em consulta pública, não fica claro o que se entende por “renda acessível”. Primeiro, o documento define que será o “valor de renda máximo base 20% inferior ao valor de referência de mercado (por metro quadrado por tipologia habitacional, para a localização em causa), sendo alvo de reduções adicionais nos casos em que haja recurso a instrumentos de apoio ao investimento e/ou programas e medidas que venham a ser desenvolvidos pelos municípios, tornando o apoio público proporcional à função social da habitação”.

Mas não há um valor de referência no mercado de arrendamento. O Instituto Nacional de Estatística (INE) faz o levantamento do preço médio por metro quadrado na venda de imóveis, mas não no arrendamento. Este levantamento de preços, reconhece o Governo, tem de ser feito. Entre os instrumentos a criar no próximo ano, incluem-se “índices de preços e acessibilidade habitacional“, que visam a “disponibilização regular e de fácil acesso de informação rigorosa sobre preços e acessibilidade no mercado da habitação, que servirão de base para o estabelecimento do limite do valor das rendas no âmbito do Programa de Arrendamento Acessível e para a monitorização, avaliação e reforço do mesmo”.

Esses índices, disse a secretária de Estado da Habitação, esta manhã, no Parlamento, já estão a ser desenvolvidos em conjunto pelo Governo e pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), não havendo, para já, indicação de quando estará pronto.

Ao mesmo tempo, o Governo definiu também que o acesso ao Programa de Arrendamento Acessível implica a “compatibilização entre o valor das rendas e os rendimentos dos arrendatários”, com a “criação de limites à taxa de esforço”. Ora, em muitos municípios, esta exigência choca com a anterior, já que um valor de renda 20% abaixo do preço de mercado ficará acima de uma taxa de esforço de 40% (o valor habitualmente estabelecido) para uma família com o salário médio. Nesses casos, não estava claro qual das regras se sobrepunha.

Ana Pinho explica agora que será sempre a taxa de esforço a definir o que é uma renda acessível. “O nível de sobrecarga com os custos de habitação está a disparar nos últimos anos. A nível do arrendamento, a média dos custos com habitação disparou para 35% dos rendimentos das famílias, quando a média europeia é de 27%”, disse a secretária de Estado. O primeiro objetivo, explicou, é baixar esta sobrecarga para o nível europeu. E, para isso, terão sempre de ser considerados os rendimentos antes de se definirem preços de rendas.

"O conceito de habitação acessível está ligado à sobrecarga com os custos de habitação. A acessibilidade da habitação nunca é um valor único, depende do rendimento das famílias. A acessibilidade da habitação, para nós, é conseguir que uma família não pague mais de 30% a 35% do seu rendimento pela sua habitação.”

Ana Pinho

Secretária de Estado da Habitação

A ideia, acrescentou a governante, é que essa taxa de esforço nunca ultrapasse os 35%. “O conceito de habitação acessível está ligado à sobrecarga com os custos de habitação. A acessibilidade da habitação nunca é um valor único, depende do rendimento das famílias. A acessibilidade da habitação, para nós, é conseguir que uma família não pague mais de 30% a 35% do seu rendimento pela sua habitação”, detalhou Ana Pinho.

Esse objetivo será alcançado através de vários programas. “A isenção de tributação sobre rendimentos prediais e os benefícios de IMI e de IMT tornam a habitação acessível a um conjunto de famílias. É o nível zero de medidas” para facilitar o acesso à habitação, referiu. “Cumulativamente”, haverá medidas como os apoios ao investimento para a reabilitação, que serão tanto mais elevados quanto mais baixo for o preço praticado pelos proprietários. Nesse caso, deverá prevalecer a regra das rendas 20% abaixo do preço de mercado.

O nosso objetivo é promover o acesso de todos, doseando os apoios do Estado em proporção com a função dos fogos. Quanto mais baixa for a renda, maior será o apoio do Estado. Cada instrumento ajuda, cumulativamente, a que a renda desça, para que, no seu conjunto, possamos cobrir o mais amplo leque de famílias”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Definição de renda acessível vai depender “sempre do rendimento das famílias”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião