Moody’s desce rating do Banco Angolano de Investimentos para B2

  • Lusa
  • 24 Outubro 2017

A agência de notação financeira Moody's desceu o 'rating' do Banco Angolano de Investimentos (BAI) de B1 para B2. Afirma também em b3 a avaliação base do crédito desta instituição financeira.

A agência de notação financeira Moody’s desceu esta terça-feira o rating do Banco Angolano de Investimentos (BAI) de B1 para B2, uma decisão que decorre da descida da República de Angola, na sexta-feira à noite.

A ação de rating de hoje é motivada principalmente pela descida do rating de Angola de B1 para B2, e reflete a visão da agência segundo a qual a enfraquecida solidez de crédito do Governo traduz-se numa redução da capacidade para apoiar os bancos angolanos, incluindo o BAI, em tempos de stress”, lê-se no comunicado que acompanha a decisão da Moody’s.

A Moody’s afirma também em b3 a avaliação base do crédito desta instituição financeira, uma vez que espera que “o perfil de crédito autónomo do BAI se mantenha resiliente, no atual nível de rating, apesar das desafiantes condições de operação, dado que tem o capital e as almofadas de liquidez adequadas”.

Na sexta-feira à noite, a Moody’s anunciou que desceu o rating da dívida pública de Angola de B1 para B2, mantendo-o num nível de classificação especulativo, ou seja, ‘lixo’ ou ‘junk’, como é normalmente conhecido. A descida no rating da dívida soberana de Angola, acrescida de uma Perspetiva de Evolução que passa de Negativa para Estável, é acompanhada de uma previsão de elevada inflação, cortes no investimento público e um sistema bancário “fraco”.

Angola ainda enfrenta o difícil desafio da diversificação“, escreve a agência de notação, ao justificar a descida de mais um nível no rating da dívida soberana. O endividamento público do país quase duplicou nos últimos quatro anos – para fazer face à quebra nas receitas com a exportação de petróleo -, persistindo as “pressões externas”, na forma de reduzida liquidez em divisas. A isto acresce o declínio das reservas internacionais líquidas do país, acrescentam os analistas da Moody’s.

A decisão da Moody’s surge pouco mais de um mês depois de a Fitch ter decido manter o rating de Angola em B (também abaixo do nível de recomendação de investimento) mas com uma Perspetiva de Evolução Negativa, o que sugere que se não houver uma alteração significativa, a avaliação da qualidade do crédito soberano angolano será também revisto em baixa no próximo ano e meio.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s desce rating do Banco Angolano de Investimentos para B2

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião