Ryanair adia mudança de regras sobre bagagem de mão para janeiro

  • ECO
  • 24 Outubro 2017

Política que previa a colocação de volume de bagagem maior no porão tinha sido anunciada em setembro e prometia ser concretizada em novembro. Ryanair atira aplicação para janeiro.

Relaxe, ainda não é este ano que só vai poder levar uma mala pequena na cabine dos aviões da Ryanair. A transportadora aérea irlandesa acaba de anunciar o adiamento da entrada em vigor das novas regras que previam a colocação (gratuita) no porão dos volumes de bagagem maiores de todos os passageiros, no momento do embarque.

A nova política tinha sido divulgada em setembro e prometia ser aplicada já no primeiro dia de novembro. “Vamos adiar a introdução das novas regras de bagagem de cabine até 15 de janeiro de 2018, para permitir aos clientes mais tempo para se familiarizarem com as mudanças“, explicou Kenny Jacobs, diretor de marketing da companhia, segundo o The Guardian.

De acordo com as alterações atiradas agora para janeiro, os passageiros que quisessem levar um volume maior (além da bolsa pessoal ou mochila) teriam de pagar pelo embarque prioritário. A decisão tinha sido tomada na sequência do aumento dos atrasos causados pela falta de espaço nas cabines para acomodar todas as malas trazidas pelos passageiros. Os críticos interpretaram, na altura, a mudança como um truque para aumentar o número de pessoas que escolhem o serviço extra em causa.

O anúncio desta terça-feira acontece num momento de tormenta para a Ryanair, com mais de 20 mil voos cancelados (na sequência de uma falha no planeamento das férias do pessoal) e com os pilotos da base londrina de Stansted a exigir o dobro do salário.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair adia mudança de regras sobre bagagem de mão para janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião