Lisboa cai com os olhos postos em Draghi. BCP pressiona

  • Juliana Nogueira Santos
  • 26 Outubro 2017

Os mercados europeus aguardam as conclusões do BCE com ansiedade. As praças seguem a registar perdas e Lisboa não é exceção.

No dia em que o futuro dos estímulos monetários do Banco Central Europeu será conhecido, a bolsa de Lisboa segue em terreno negativo, expectante do que poderá acontecer em Frankfurt. Com a maioria das suas cotadas pintadas de vermelho, o principal índice bolsista está a ser pressionado pelos desempenhos do BCP e da Jerónimo Martins.

Com a economia da zona euro a mostrar sinais de vitalidade, o Banco Central Europeu tem sido pressionado para repensar a sua política de estímulos monetários, nomeadamente no que diz respeito ao programa de compra de dívida soberana. Os responsáveis da instituição quiseram guardar a decisão final para o outono, para evitar decisões apressadas. Assim, e à espera do que poderá ser decidido em Frankfurt, as bolsas europeias seguem a negociar em terreno negativo, com Lisboa a não ser exceção.

O PSI-20 perde 0,18% para 5.359,03 pontos, com o BCP e a Jerónimo Martins a pressionar. Enquanto o único banco cotado desvaloriza 0,88% para 24,75 cêntimos, sendo esta a quarta sessão em que regista perdas, a retalhista cai 0,41% para 15,72 cêntimos. Após o fecho da sessão anterior, a Jerónimo Martins informou os mercados que os seus lucros encolheram para 285 milhões de euros.

Em terreno positivo segue o setor energético, com todas as cotadas a registarem valorizações e, com mais destaque, a Navigator que avança 1,35% para 4,35 euros. Antes de os mercados abrirem, a empresa liderada por Diogo Rodrigues de Silveira divulgou uma expansão de lucros de mais de 8%, impulsionada pelo corte de custos e pelo aumento das vendas.

Na Europa, o cenário é de perdas, com o espanhol IBEX-35 a cair 0,30% — no dia em que também está em cheque a estabilidade política do país –, o alemão DAX desvaloriza 0,04% e o agregador Stoxx 600 perde 0,15%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa cai com os olhos postos em Draghi. BCP pressiona

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião