Sophia é a primeira robô a ser cidadã… e vem ao Web Summit

  • ECO
  • 29 Outubro 2017

Sophia acaba de se tornar cidadã da Arábia Saudita, consagrando-se na primeira robô do mundo a receber tal distinção. Em novembro, estará por Lisboa na feira fundada por Paddy Cosgrave.

A Arábia Saudita é o primeiro país do mundo a atribuir cidadania a um… robô. A recipiente desta distinção foi a humanoide Sophia, que encantou os participantes da Iniciativa Investimento Futuro, esta semana, em Riade. No início de novembro, será Lisboa a conhecê-la, já que Sophia faz parte dos oradores confirmados do Web Summit, feira de tecnologia que acontece de 6 a 9 de novembro na FIL e no Altice Arena.

“Estou muito honrada e orgulhosa por esta distinção única”, declarou a humanoide, segundo a BBC. “É histórico ser a primeira robô do mundo a ser reconhecida com a cidadania”, acrescentou Sophia, que apareceu no palco da conferência árabe sem qualquer o lenço que o governo exige às suas cidadãs. Nas redes sociais, já são, por isso, muitos aqueles que criticam o facto de esta humanoide ter alegadamente mais direitos que as próprias mulheres da Arábia Saudita.

A humanoide Sophia foi criada pela Hanson Robotics. O fundador desta companhia tem reputação mundial pela semelhança humana (em termos de aspeto e atitude) que empresta aos seus robots. Além do seu aspeto, Sophia está a ser considerada notável por ter uma gama completa de expressões faciais, conseguir reconhecer rostos, ter conversas naturais e olhar o seu interlocutor nos olhos.

Em março de 2016, numa apresentação no festival SXSM, o criador desta robot perguntou-lhe se queria destruir humanos. Na altura, Sophia respondeu: “OK. Vou destruir humanos”, relembra o Business Insider. Desta vez em Riade, a humanoide afirmou que quer usar a sua inteligência artificial para “melhorar a vida”. De acordo com a empresa chinesa, este e os seus futuros produtos robóticos serão usados como acompanhantes de idosos em lares de terceira idade, bem como servirão de assistentes em parques e eventos, reporta a Inc.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sophia é a primeira robô a ser cidadã… e vem ao Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião