Bilhetes a 1.000 euros? Web Summit garante controlo apertado

  • Lusa
  • 30 Outubro 2017

Depois de ter sido detetado um caso de um bilhete fraudulento, o fundador da conferência global de tecnologia, Paddy Cosgrave, garante que a segurança foi reforçada.

O fundador da conferência global de tecnologia Web Summit, Paddy Cosgrave, assegurou que o evento terá “segurança muito profissional” para detetar bilhetes fraudulentos, após ter sido verificado um caso de revenda por 1.000 euros. Em causa estão os bilhetes disponibilizados pela organização a 7,50 euros para jovens entre 16 e 23 anos, num total de 12 mil unidades (10 mil das quais já esgotaram).

“Temos um sistema para identificar todas essas pessoas [que cometeram fraude]. Todos os bilhetes são eletrónicos, não é como se fosse um jogo de futebol em que se imprimem bilhetes que podem ser revendidos”, disse Paddy Cosgrave em declarações à agência Lusa, a uma semana do início da Web Summit. O responsável ironizou, referindo que “talvez até seja muito empreendedor alguém comprar um bilhete de estudante, quando, obviamente, não é assim tão novo”.

"Temos um sistema para identificar todas essas pessoas [que cometeram fraude]. Todos os bilhetes são eletrónicos, não é como se fosse um jogo de futebol em que se imprimem bilhetes que podem ser revendidos.”

Paddy Cosgrave

Fundador do Web Summit

“Nós identificámos uma pessoa e acho que só estava a tentar fazer dinheiro. Parte de mim entende isso, mas outra parte acha que isso foi nojento”, afirmou à Lusa.

No âmbito da iniciativa Inspire Portugal, promovida em parceria com o Governo, a organização disponibilizou bilhetes a preços reduzidos que dão acesso às conferências que decorrem no palco principal, mas apenas por meio-dia (ou da parte da manhã ou da tarde). Para ter acesso a estes bilhetes, os interessados tinham de fazer um pré-registo ‘online’ e, caso vencessem, tinham de dar dados pessoais. À entrada, tais informações serão verificadas, desde logo a idade.

“Mesmo sendo um bilhete limitado, para parte do dia, alguém achou que era boa ideia tentar vendê-lo por 1.000 euros. Felizmente, ninguém pagou 1.000 euros por esse bilhete”, assinalou Paddy Cosgrave. Apesar de ver como “um bom sinal” a deteção destas fraudes, o responsável notou que odeia ter de controlar os bilhetes. Admitiu, inclusive, que as burlas continuem através de outras formas, mas frisou que “a segurança é muito profissional”.

Paddy Cosgrave explicou à Lusa que a organização resolveu hoje disponibilizar mais dois mil bilhetes para jovens por terem tido muita procura. “Quando temos 100 mil pessoas a inscreverem-se [para os 10 mil bilhetes inicialmente disponibilizados a 7,50 euros], queremos tentar dar uma oportunidade a todos”, assinalou. O objetivo é evitar lugares vagos: “Acho que é uma vergonha ter uma cadeira vazia quando se pode ter lá um jovem de 16 anos sentado a ser inspirado [pelos oradores]”.

Para o público em geral, os preços dos bilhetes para o evento estão a rondar os 1.500 euros. Sem indicar quantos bilhetes foram vendidos até ao momento, Paddy Cosgrave estimou que esgotem até domingo, dia anterior ao início da Web Summit, que decorre entre segunda-feira e quinta-feira no Parque das Nações, em Lisboa. “Na sexta-feira talvez aumentemos os preços para 2.500 euros”, adiantou, frisando que este será o valor máximo cobrado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bilhetes a 1.000 euros? Web Summit garante controlo apertado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião