Hugo Soares sobre Costa: “Numa palavra, incompetente”

  • ECO
  • 30 Outubro 2017

O líder parlamentar do PSD tece várias críticas ao primeiro-ministro, António Costa, no rescaldo dos incêndios e da entrevista deste fim de semana em que António Costa fala sobre os mesmos.

Hugo Soares devolve as acusações de oportunismo político apontando para o cenário da entrevista de António Costa à TVI. Desta, o que retira é que António Costa veio admitir ao país que “foi displicente, foi negligente, foi numa palavra incompetente” na atuação relativa aos incêndios.

“No fundo, o Dr. António Costa assumiu que desvalorizou, subavaliou o risco que por todos tinha sido identificado”, acusa Hugo Soares em declarações às televisões. Por este motivo entende que António Costa “não cumpriu aquilo que era o papel dele enquanto primeiro-ministro”.

Defende o PSD, dizendo que sempre fez o seu papel como oposição sendo “o primeiro grupo parlamentar a apresentar propostas concretas”. Da perspetiva do líder parlamentar dos sociais-democratas, o cenário da entrevista, na qual António Costa aparecia rodeado de equipamentos de combate aos fogos, é o “verdadeiro oportunismo político” e retira a legitimidade ao primeiro-ministro para fazer acusações deste nível.

"Estava mais preocupado se ficava melhor com um extintor ao lado esquerdo ou com um capacete ao lado direito”

Hugo Soares

Líder parlamentar do PSD

“Estava mais preocupado se ficava melhor com um extintor ao lado esquerdo ou com um capacete ao lado direito”, satiriza Hugo Soares, fazendo o paralelo à conferência de imprensa em que José Sócrates anunciou o pedido de resgate. Já na altura, como “número dois do partido”, António Costa “perguntava se ficava melhor olhar para a direita ou para a esquerda”. Conclui que o partido socialista releva a forma mas no que toca à substância “nunca faz aquilo que o país precisa, nunca corresponde aos verdadeiros anseios da população“.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hugo Soares sobre Costa: “Numa palavra, incompetente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião