Hugo Soares: fenómeno da CGD “não é muito diferente” do BES

  • ECO
  • 20 Julho 2017

O novo líder parlamentar do PSD vê semelhanças entre a CGD e o BES na maquilhagem das contas, na ocultação das imparidades e na concessão de crédito.

Hugo Soares aponta as semelhanças entre o caso do BES e do banco do Estado, realçando a necessidade de “apurar responsabilidades”. Em entrevista ao Público (acesso condicionado), diz que o PSD “não coloca de parte” a hipótese de pedir uma terceira comissão de inquérito, mas uma alteração do regime de inquérito parlamentar também está em cima da mesa.

Esconder as contas, maquilhar as contas, não é diferente do que aconteceu no BES. E portanto era preciso apurar responsabilidades“, afirma Hugo Soares. Confia no Ministério Público para o efeito, mas aponta o dedo à comissão de inquérito porque “fecha as portas aos tribunais”. “Isto serve para esconder o que verdadeiramente aconteceu na CGD”, insiste.

Esta quarta-feira o PSD chumbou o relatório final através de uma votação nominal, um “pseudo-relatório” de acordo com Luís Montenegro, uma vez que os deputados não tiveram acesso à documentação. “Não há memória [no Parlamento] de um tal branqueamento de uma investigação que devia ser feita”, repete Hugo Soares, ecoando a posição do partido.

Hugo Soares critica ainda o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, porque “Tem tido um conjunto de posições que são claramente partidárias. E creio que um presidente que deve ser de todos os deputados não as pode ter”. Hugo Soares refere-se à constituição de uma comissão técnica independente para “apurar a verdade dos factos” no combate aos incêndios, acusando o presidente de “desdenhar de forma absolutamente inacreditável” esta proposta.

Em relação às autárquicas, quando questionado acerca do próximo líder do partido — se Rui Rio ou Luís Montenegro — Hugo Soares não tem dúvidas: “Tudo farei para que Passos Coelho volte a ser primeiro-ministro. No PSD não há ninguém melhor preparado para liderar o partido” e “também não há no país” reforça ainda.

Quanto às próprias funções, assume como prioridade “continuar a fazer oposição a um Governo que merece ser combatido”. Acredita que o PSD não está pior, ao contrário do que defendeu Rui Rio. Que pelo contrário, tem “feito o seu combate político” e “apresentado o seu projeto alternativo”.

Nas autárquicas, reconhece que “em 2013 fomos copiosamente derrotados” e portanto, este ano “é difícil”. “Conto ganhar mais câmaras do que ganhei em 2013“, afirma, reformulando o conceito de vitória nas autárquicas olhando para os próprios resultados ao invés de comparar os seus números aos do PS. Quanto ao polémico candidato de Loures, André Ventura, Hugo Soares confessa não ter lido a entrevista que o pôs em foco, mas confirma que o PSD continuará a apoiar o candidato que considerou “o melhor para o concelho de Loures“.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hugo Soares: fenómeno da CGD “não é muito diferente” do BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião