Direto Relatório do inquérito à CGD chumbado. Mas comissão é encerrada na mesma

PS, BE e PCP votaram a favor mas a ausência de dois deputados do PS resultou num empate que ditou o "chumbo" do relatório.

Sete contra sete. Os grupos parlamentares do PS, Bloco de Esquerda e PCP votaram a favor do relatório final da comissão parlamentar de inquérito (CPI) à recapitalização e gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD). O PSD votou contra aquele que considera ser um “pseudo-relatório”, já que os deputados não chegaram a ter acesso à documentação pedida ao Banco de Portugal, à CGD e à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Também o CDS-PP contesta a condução dos trabalhos desta comissão. Já Bloco de Esquerda e PCP acolheram o facto de o relatório final, redigido pelo deputado socialista Carlos Pereira, incluir várias das propostas de alteração que fizeram à versão preliminar do documento.

Com sete votos a favor e sete contra — a votação foi uninominal e não por grupo parlamentar –, não foi possível aprovar o relatório. “Está chumbado”, declarou o presidente da Comissão, Emídio Guerreiro, sobre o empate na votação do relatório principal.

A segunda votação, ponto a ponto, fez aprovar cinco das sete recomendações do documento. A votação destes sete pontos contou já com a votação dos deputados João Galamba e Susana Amador, ausentes na votação geral.

“Esta é a terceira comissão de que faço parte e nunca pensei que fosse tão difícil gerir esta comissão. O facto de não existir vontade de todos os grupos parlamentares na participação desta comissão cria dificuldades na sua realização. No fim de tudo isto, quem não sai beneficiado é a imagem do Parlamento e dos parlamentares”, disse Emídio Guerreiro.

Releia toda a sessão, que o ECO acompanhou em direto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Relatório do inquérito à CGD chumbado. Mas comissão é encerrada na mesma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião