Juncker: “Orçamento português não causa grande problema”

De visita a Portugal, o presidente da Comissão Europeia discutiu com António Costa o Orçamento português. Vai participar esta tarde na reunião do Conselho de Estado.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker esteve reunido esta manhã com o primeiro-ministro português para discutir “bilateralmente os temas que a Comissão Europeia tem em mãos”, nomeadamente o Orçamento do Estado para 2018 que, segundo Juncker, “não causa um grande problema”.

Juncker foi convidado para participar esta tarde de segunda-feira, na reunião do Conselho de Estado, onde se prevê “discutir o Orçamento do Estado português, que não representa um grande problema”. “Tem apenas um pequeno problema que vamos resolver”, disse numa conferência de imprensa nos Jardins de São Bento, transmitida pela RTP3.

Recorde-se que o comissário europeu dos Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, e o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, enviaram na sexta-feira passada uma carta ao ministro das Finanças, Mário Centeno, para alertar para a possibilidade de “desvios significativos” face às regras europeias, na execução orçamental deste ano e no Orçamento do Estado de 2018.

Numa visita de dois dias a Portugal, Juncker exprimiu a sua “solidariedade às famílias” que perderam elementos nos incêndios deste verão e lembrou que “esta catástrofe natural” o atingiu “pessoalmente” porque um conterrâneo da sua aldeia no Luxemburgo morreu nos fogos de Pedrógão. “Tudo faremos para demonstrar a solidariedade europeia relativamente a este tema”, disse o responsável que chegou a criticar a lentidão de Bruxelas na ajuda aos incêndios de Portugal.

Ao seu lado, António Costa agradeceu a solidariedade europeia e a preocupação que Juncker demonstrou. Aproveitou ainda para lembrar que a Comissão está a tentar reforçar o mecanismo europeu de proteção civil, nomeadamente através da criação de uma bolsa permanente de combate aos fogos.

Minutos depois, Juncker já estava ao lado de Marcelo Rebelo de Sousa, em Belém, para um breve encontro bilateral, antes de participar na reunião do Conselho de Estado. “Uma honra”, diz o responsável, em declarações transmitidas pela Sic Notícias que está na sua segunda visita oficial ao país enquanto presidente da Comissão. Roberto Azevedo, o diretor-geral da Organização Mundial de Comércio (OMC), e Mario Draghi do Banco Central Europeu (BCE), foram outros estrangeiros a participar em Conselhos de Estado em Portugal, a convite de Marcelo.

Segundo o próprio Presidente da República, a reunião do Conselho de Estado pretende fazer “um balanço e uma perspetiva muito ambiciosa e corajosa sobre a Europa”, mas analisar também “o futuro, a relação da União Europeia com o mundo, com os europeus”. Marcelo agradeceu ainda a “solidariedade institucional europeia” e garantiu que a presença de Juncker no Conselho de Estado “é muito importante para os portugueses sempre pró-europeus, que vivem a Europa como algo que se refaz todos os dias, pensando a médio e longo prazo, sabendo que é um espaço de paz, liberdade, democracia e justiça social”.

Mais uma vez, o presidente da Comissão voltou a manifestar solidariedade pelas vítimas dos incêndios e garantiu que está num dos seus países preferidos.

Amanhã, Juncker vai ser distinguido com o diploma Honoris Causa pela Universidade de Coimbra, na presença do Presidente português, do Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, do primeiro-ministro, e dos representantes do corpo diplomático dos Estados-membros da UE, refere uma nota de agenda da Comissão Europeia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juncker: “Orçamento português não causa grande problema”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião