Deixou o seu Uber à espera? Prepare-se para pagar mais

A Uber está empenhada em motivar os seus motoristas. Lançou sete novas funcionalidades e o cliente tem de começar a pagar atrasos e cancelamentos superiores a dois minutos.

Se é motorista ou parceiro da Uber, saiba que tem a partir desta segunda-feira um novo Greenlight Hub — um espaço de apoio a parceiros motoristas — no Porto. Mas as novidades para os motoristas da Uber não se esgotam aqui, uma vez que a empresa apresenta sete novas funcionalidades na aplicação, muitas a pensar nos motoristas. E, nalguns desses casos, serão penalizadoras para o clientes.

A ideia, segundo Rui Bento, diretor-geral da Uber para o mercado ibérico é “melhorar a flexibilidade, os rendimentos e a segurança de todos os motoristas.” Rui Bento garante mesmo que toda a equipa Uber foi para o volante para ter uma perceção real dos constrangimentos da atividade.

Já Manuel Pina, diretor de operações em Portugal, destaca que “tudo começou de facto por ouvirmos os motoristas e, se por um lado, ao nível do rendimento pretende-se que a Uber se assuma como uma importante atividade económica, por outro lado pretende-se ao nível da flexibilidade aliar o tempo da atividade profissional com o lazer“.

As novas funcionalidades para os motoristas — que, neste momento são perto de três mil em Portugal — deverão entrar esta semana em funcionamento, havendo contudo alguns carros que já têm vindo a testá-las.

Sobre um eventual reforço do número de motoristas, Rui Bento diz que “tudo vai depender de como evoluir a base de utilizadores”. Sem querer especificar muitos números, o diretor geral da empresa refere: “Temos um milhão de aplicações descarregadas e o nosso objetivo é o de servir cada vez mais pessoas”.

Entre as novas funcionalidades, o destaque vai para a taxa de cancelamento, ou seja, por cada serviço cancelado após dois minutos depois de o serviço ter sido solicitado, o motorista receberá uma taxa de 2,5 euros. Já o tempo de espera, se for superior a dois minutos, será pago a uma taxa de 10 cêntimos por minuto.

A par das novas funcionalidades, os motoristas Uber vão passar também a contar com um espaço de apoio especializado no centro empresarial da Lionesa, em Leça do Balio. Este será o segundo Greenlight Hub da empresa em Portugal, e vai contar com uma equipa que receberá e prestará apoio presencial a centenas de parceiros motoristas todas as semanas.

Rui Bento não avançou com os valores dos investimentos no Greenlight de Lisboa e Porto, mas referiu que estes serão compostos por uma equipa de nove pessoas. A proximidade com a comunidade de parceiros e motoristas é o principal objetivo.

A Uber já ofereceu em 2017 mais de 6500 horas de apoio especializado e presencial em Portugal, mais concretamente no Greenlight de Lisboa.

As sete novas funcionalidades para os motoristas:

Tempo de espera pago: Caso o motorista tenha de esperar mais de dois minutos no local de recolha até que o utilizador esteja pronto a viajar, começará a receber um valor de espera fixo por minuto.

Taxa de cancelamento de dois minutos: caso o utilizador cancele um pedido de viagem pelo menos dois minutos depois de o ter feito, o motorista receberá uma taxa de cancelamento (anteriormente, o período para a aplicação da taxa era de cinco minutos). A taxa de cancelamento é de 2,5 euros.

Proteção de pontuação: se a pontuação que o utilizador atribuir à viagem não estiver relacionada com o serviço prestado pelo motorista, a pontuação do motorista não será afetada. Ou seja, o motorista não será prejudicado por fatores que fogem ao seu controlo.

Aviso de viagem longa: para ajudar os motoristas a planear o seu dia — o que passa por não serem surpreendidos por viagens mais longas do que os tempos de espera — quando o motorista receber um pedido de viagem com uma duração estimada superior a 45 minutos, será devidamente alertado para o facto na aplicação antes de aceitar o pedido.

Partilha de viagem/percurso: a segurança é a principal prioridade. A partir de agora, o motorista poderá partilhar a sua localização e o estado da sua viagem com amigos e familiares através da aplicação – para que amigos e familiares saibam onde estão, e quando chegarão ao seu destino.

Chat na aplicação: garantir que motorista e utilizador se encontram rapidamente nem sempre é fácil — sobretudo em momentos e locais muito movimentados. E nestes momentos, normalmente uma simples e rápida conversa é a solução mais simples. A partir de agora, motoristas e utilizadores terão acesso a uma nova funcionalidade de chat entre ambos que simplifica a comunicação, evita custos de necessários, e simplifica a experiência de recolha.

Hora e destino final: para que chegue sempre a tempo ao seu próximo compromisso, o motorista poderá escolher o local e a hora a que precisa de desligar a aplicação da Uber — fica assim garantido que apenas receberá viagens que lhe permitam estar à hora certa, no sítio certo. Seja uma ida ao cinema, um convívio com amigos ou um jantar em família, a Uber ajudará a que nunca falte e chegue sempre a horas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deixou o seu Uber à espera? Prepare-se para pagar mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião