OE2018: PS e BE debatem bónus para reformas antecipadas nos anos da troika

  • ECO
  • 2 Novembro 2017

As discussões na generalidade do Orçamento do Estado para 2018 começam esta quinta-feira. PS e BE consideram uma nova medida.

Pedro Filipe Soares, líder Parlamentar do Bloco de Esquerda (BE), garante ao Público [acesso condicionado] que o Governo aceitou discutir a adição de uma medida ao Orçamento do Estado para 2018: os bloquistas querem avançar com um bónus para os pensionistas que pediram a reforma antecipada durante os anos da Troika. A discussão na generalidade começa esta quinta-feira, mas PS e BE só pensam levá-la a debate na especialidade, a partir da próxima segunda-feira. O Governo também confirma.

Vieira da Silva, ministro do Trabalho e da Segurança Social, terá aceitado discutir uma compensação feita através do Complemento Solidário para Idosos, agora que se sabe que o grupo de reformados afetados pela medida não excederá em muito os 10 mil. O caminho foi aberto no âmbito de uma discussão, a semana passada, onde vários ministros discutiram as medidas que podem ser retomadas.

No anterior Governo, o ministro do Trabalho Pedro Mota Soares alterou o cálculo do fator de sustentabilidade, o que fez disparar este fator e o valor das penalizações. Em 2015, uma pensão que com a antiga fórmula teria uma penalização de 6,17%, passou a contar com cortes na ordem dos 13,02%.

Anteriormente, o ministro do Trabalho tinha fechado as portas a esta discussão, relembrando que a atualização das pensões e as longas carreiras contributivas, medidas já incluídas no Orçamento, têm “um peso significativo” na sustentabilidade do plano.

Quanto à antecipação da segunda fase das reformas antecipadas sem penalização, o Bloco não desistiu da medida, mas o Pedro Filipe Soares diz que o Governo prefere estudar primeiro os efeitos do primeiro desagravamento, o que entrou em vigor a 1 de outubro. Só depois poderá voltar à mesa redonda da Geringonça.

O Bloco de Esquerda reivindica ainda a cessação das cativações no setor da Saúde e o aumento da derrama estadual de IRC em dois pontos percentuais. Já medidas relativas aos incêndios não acrescentam preocupações financeiras a Centeno que pretende usar dinheiro já orçamentado para dar resposta a este problema.

PCP: “Tudo o que for avanços é positivo”

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, afirma que “Tudo o que for avanços é positivo” mas sublinha o peso do fator de sustentabilidade, “o elemento de castigo maior em relação ao valor das pensões e das reformas”. Desta forma, o partido vai voltar a colocar esta questão, tal como fez no Orçamento anterior relembra Jerónimo de Sousa. “Temos de ter em conta o benefício da igualdade” salientou o deputado, em declarações à RTP3 antes de reunir com a Procuradora Geral da República, Joana Marques Vidal.

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OE2018: PS e BE debatem bónus para reformas antecipadas nos anos da troika

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião