Quotas para travar alojamento local em Lisboa avançam em 2018

A Câmara de Lisboa vai arrancar já com um estudo para definir as "capacidades máximas de alojamento local por zona da cidade". Também vai ser criado um gabinete de fiscalização do alojamento local.

A imposição de quotas para limitar o número de alojamentos locais em Lisboa deverá avançar já no próximo ano. O plano consta do acordo assinado entre o Bloco de Esquerda e o PS para a Câmara Municipal de Lisboa, que prevê ainda a criação de um gabinete municipal de fiscalização de alojamento local.

Entre as medidas para as áreas da habitação e património municipal, Ricardo Robles, vereador da Câmara de Lisboa pelo Bloco de Esquerda, e Fernando Medina, o presidente reeleito, definem como prioridade as “alterações ao enquadramento legal do alojamento local”, para que as autorizações para a exploração deste tipo de empreendimento passem a ser concedidas pela câmara.

Ao mesmo tempo, vai ser iniciado “de imediato o estudo técnico para definição de capacidades máximas de alojamento local por zona da cidade para assegurar a multifuncionalidade dos bairros, em particular, nas zonas históricas”. Depois de concluído este estudo, a Câmara vai “aprovar, no prazo máximo de três meses após a aprovação legislativa, o mapa de quotas definindo a capacidade máxima referida, após ampla discussão legislativa”.

Ou seja, a imposição de quotas ainda fica dependente da decisão do Parlamento sobre este assunto. PS, PCP, Bloco de Esquerda e CDS-PP já apresentaram iniciativas legislativas para alterar o regime jurídico do alojamento local e o objetivo, disse o deputado Luís Testa ao jornal i, é arrancar com as discussões em torno deste assunto logo após o debate sobre o Orçamento do Estado, que é votado na generalidade esta sexta-feira e será depois discutido na especialidade durante o mês de novembro. A votação final global está marcada para 28 de novembro.

A votação das propostas apresentadas pelos vários partidos deverá, assim, ficar agendada para 2018 e a expectativa, diz ao ECO fonte oficial do Bloco de Esquerda, é que estas alterações comecem a avançar já no próximo ano.

A proposta apresentada pelo Bloco de Esquerda prevê a limitação da atividade de alojamento local a 90 dias por ano (para lá deste limite a atividade será considerada “turismo habitacional” e terá um enquadramento legislativo próprio), enquanto o PCP quer impor uma taxa aos proprietários que tenham alojamentos locais, a pagar aos condomínios. Já o PS propõe que sejam os condomínios a conceder autorização para a exploração de um alojamento local e o CDS-PP quer distinguir os “profissionais e não profissionais” da atividade de alojamento local.

A imposição de quotas para o alojamento local foi uma das bandeiras do Bloco de Esquerda durante a campanha para as autárquicas e mesmo Fernando Medina já tinha admitido que poderia avançar com uma quota máxima de alojamento local nos bairros históricos. Para Ricardo Robles, a ideia passa por distinguir “alojamento local”, o conceito de partilha de casa, e “turismo habitacional”, onde as casas são utilizadas a 100% para o turismo. “Sempre que é um serviço de hotelaria, deve haver uma quota máxima em determinadas zonas da cidade”, disse Ricardo Robles, em entrevista ao ECO, em junho.

Também no prazo de três meses após a aprovação do novo enquadramento legislativo, vai ser criado “um gabinete municipal de fiscalização do alojamento local e turismo habitacional que atue de forma rápida perante queixas de moradores e retire licenças em casos de comprovada infração com reincidência”, define o acordo assinado entre Fernando Medina e Ricardo Robles.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quotas para travar alojamento local em Lisboa avançam em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião