Portugal vive “duas realidades muito distintas”, diz a Bloomberg

  • ECO
  • 3 Novembro 2017

Para a agência Bloomberg, Portugal encara "duas realidades" muito diferentes: de um lado, o cenário e os mortos deixados pelos incêndios. Do outro, o clima de euforia do Web Summit.

Segundo a Bloomberg, Portugal enfrenta duas realidades diferentes: a destruição deixada pelos fogos e a euforia do Web Summit

Portugal prepara-se para acolher o Web Summit, a grande conferência de tecnologia que está a gerar entusiasmo e alvoroço nas empresas. No entanto, o clima contrasta com as mais de cem mortes em quatro meses provocadas pelos graves incêndios florestais deste verão, que têm estado no centro da agenda política nos últimos tempos. É por isto que Portugal está a viver em “duas realidades muito diferentes”, aponta a Bloomberg numa análise publicada esta sexta-feira [acesso condicionado].

“O primeiro-ministro português, António Costa, lidera um país que encara duas realidades muito distintas”, começa por escrever a agência. De um lado, o Web Summit em Lisboa, “uma cidade em crescimento que atrai milhares de turistas e um crescente número de investidores franceses e chineses em imobiliário”. Do outro, os últimos incêndios florestais que mataram 45 pessoas a 15 de outubro.

“As discussões sobre tecnologia vão contrastar fortemente com o foco de António Costa nas últimas semanas: incêndios florestais que deixaram mais de 100 mortos num período de quatro meses, com as televisões a mostrarem imagens de famílias desesperadas com mangueiras nos quintais a tentarem salvar as suas habitações”, acrescenta a Bloomberg.

O primeiro-ministro português, António Costa, lidera um país que encara duas realidades muito distintas.

Bloomberg

A agência recorda ainda as palavras de Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, proferidas numa visita a Pampilhosa da Serra, uma das regiões mais afetadas pelos fogos deste verão: “Parte do país, nomeadamente as zonas metropolitanas, o chamado Portugal do litoral, que podia ainda não ter acordado para esta realidade [dos incêndios], está agora ciente dela. É essencial olhar para esta realidade para que não haja vários países a várias velocidades.”

O artigo termina com referências à situação política do país, nomeadamente o apoio dos partidos de esquerda ao executivo socialista e a rejeição da moção de censura ao Governo apresentada pelo CDS-PP. Indica ainda que Lisboa é o maior distrito de Portugal e que elege 47 dos 230 deputados da Assembleia da República — em conjunto com Porto, Braga e Setúbal, os quatro distritos arrebatam mais de metade dos assentos no Parlamento, sublinha.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal vive “duas realidades muito distintas”, diz a Bloomberg

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião