“Há cada vez mais startups a mudarem-se para Lisboa”

Em entrevista ao ECO24, Jaime Jorge, cofundador da Codacy, defende Lisboa como "o centro" onde a empresa quer desenvolver o seu produto. E vê o Web Summit como uma "ótima moda".

Jaime Jorge, cofundador da Codacy, foi o convidado desta quarta-feira do ECO 24.Paula Nunes / ECO

Os números do crescimento das startups portuguesas não deixam margem para dúvidas. O ecossistema empreendedor português “está a atingir uma velocidade impressionante dentro de pouco espaço de tempo” e, por isso, a tendência será para o acentuar deste cenário: mais portugueses a criarem empresas, mais estrangeiros a virem para cá e cada vez mais condições para que as startups possam desenvolver-se em Portugal. A visão é de Jaime Jorge, cofundador da Codacy, a startup portuguesa que, em 2014, venceu o concurso de pitches do Web Summit, ainda em Dublin.

Em entrevista ao ECO 24, esta quarta-feira, o empreendedor defende que as políticas públicas que estão a ser seguidas para incentivar a criação de startups são as corretas, defende Lisboa como “o centro” onde a empresa quer desenvolver o seu produto e vê no Web Summit, cuja segunda edição em Portugal arranca na próxima semana, uma “ótima moda”.

Os números “impressionantes” do ecossistema empreendedor nacional

Jaime Jorge reconhece que Portugal ainda não pode comparar-se ao Reino Unido, aos Estados Unidos ou mesmo a Berlim no que toca a dar condições às startups para que se desenvolvam. Mas não tem dúvidas de que essas condições estão a ser criadas.

Jaime Jorge salienta o rápido crescimento do ecossistema empreendedor português.Paula Nunes / ECO

“Em termos relativos, de expansão e de crescimento, os nossos números são impressionantes. Temos empresas que estão a levantar rondas de financiamento incríveis, como a Feedzai, Outsystems, Talkdesk, Uniplaces ou Codacy. Temos estrangeiros a virem para cá para criarem startups e cada vez mais startups a mudar as suas sedes e a virem para Lisboa. Dentro de pouco espaço de tempo, o nosso ecossistema está a atingir uma velocidade impressionante”, diz o cofundador da Codacy, que fechou recentemente uma ronda de financiamento no valor de 4,3 milhões de euros.

Assim, acredita, “as condições estão todas alinhadas” para que mais startups possam ter sucesso a partir de Portugal.

Mesmo a questão do capital não é um problema. “Até há bastante capital atualmente, o problema é sempre a execução”, diz. Mas, “com uma boa equipa, com uma boa ideia para o mercado e com uma boa base de clientes, o capital aparece”. Aliás, aponta, “já há mais fundos a virem investir em Portugal”.

Web Summit é uma moda? Se é, “é uma ótima moda”

A Codacy agarrou em cerca de 2.000 euros para, em 2014, quando contava com uma equipa de 10 pessoas e vendia o produto para 500 cidades, montar uma banca no Web Summit, quando o evento de empreendedorismo tecnológico ainda se realizava em Dublin. O investimento compensou: venceram o concurso de pitches e, hoje, contam com uma equipa de 28 pessoas, vendem os serviços par seis mil cidades e passaram de ter quatro mil programadores para passarem a ter 60 mil programadores, por todo o mundo, a usarem o seu produto.

Jaime Jorge defende que o Web Summit é a melhor forma de encontrar as pessoas certas para desenvolver um negócio.Paula Nunes / ECO

Por tudo isto, Jaime Jorge reconhece que é “parcial” na análise que faz, mas defende que o Web Summit é “a melhor forma” de os empreendedores mostrarem os seus produtos a quem interessa. “Se o Web Summit é uma moda, é uma moda boa”, garante.

O Web Summit é um pequeno universo. Tem imensos palcos, imensos oradores, imensas pessoas para conhecer”, aponta. Para se ter sucesso neste “pequeno universo”, é preciso ter “um objetivo específico”, aconselha.

Quanto a convencer investidores em poucos minutos, Jaime Jorge também deixa alguns conselhos. “Há uma série de componentes que fazem a diferença num pitch. Paixão e entusiasmo naquilo que está a apresentar”, começa por enumerar. Depois, é preciso que a dimensão do mercado entusiasme os potenciais investidores. Por fim, a ideia tem de ser clara. “As pessoas têm de perceber nos primeiros cinco ou dez segundos o que é que nós fazemos”.

“Criar uma startup é como andar numa montanha russa”

Apesar do sucesso, o falhanço está sempre presente no empreendedorismo. “Criar uma startup é como andar numa montanha russa. De manhã estamos no alto, à tarde as coisas não estão a correr bem. A coisa mais importante que um empreendedor pode ter é ser resiliente”, sublinha.

Foi isso que aconteceu também na Codacy. “Falho muitas vezes, mas falho rapidamente. Os meus processos de falhanço são rápidos e interativos. Por trás do sucesso da Codacy, estão micro falhanços que resolvo rapidamente”.

“Criar uma startup é como andar numa montanha russa”, diz Jaime Jorge.Paula Nunes / ECO

Seja como for, acredita que “o emprego para a vida está cada vez mais a morrer, não só em termos factuais mas também em termos de interesse das pessoas”, e defende que há cada vez “mais interesse em trabalhar numa startup dinâmica, onde há aprendizagem”. Por isso, antecipa, “vamos ver cada vez mais pessoas a criar empresas”.

Lisboa é “o centro”

Quanto à possibilidade de levar a Codacy para outras paragens, Jaime Jorge assegura que Lisboa é “o centro” da empresa e é por aí que querem ficar. “Não quer dizer que não tenhamos uma sede de vendas fora, mas queremos ter a sede aqui”, afirma.

Até porque, sublinha, as políticas públicas que têm sido seguidas na área do empreendedorismo são suficientes para incentivar a criação e apoiar o desenvolvimento de startups. “No meu percurso, até agora, senti-me muito apoiado, não só na universidade, mas também por iniciativas como a Startup Lisboa, muito importante para o nosso trajeto, e pelas políticas públicas que temos. Há programas especiais de suporte, como bolsas ao empreendedorismo”, aponta.

  • Paula Nunes
  • Fotojornalista

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Há cada vez mais startups a mudarem-se para Lisboa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião