Talkdesk já contratou 100 este ano. Agora, quer outros 100

A startup Talkdesk, de ADN português, já concluiu o objetivo de contratar uma centena de profissionais este ano. Agora, quer contratar outros 100 profissionais "nos próximos meses".

A Talkdesk tem sede nos Estados Unidos e escritórios em Lisboa e no Porto. Foi fundada por dois portugueses.D.R.

Está cumprido. A Talkdesk já cumpriu o objetivo de contratar uma centena de novos colaboradores este ano, reforçando as equipas no Porto e em Lisboa. Com esta meta riscada da lista, a empresa anunciou esta segunda-feira que quer contratar mais 100 trabalhadores “nos próximos meses” e que tenciona “chegar às 1.000 contratações até 2020”, lê-se num comunicado enviado à comunicação social.

A Talkdesk é uma das startups de ADN português mais faladas. Tem sede em São Francisco, na Califórnia, e desenvolve programas informáticos para call centers assentes em infraestruturas na “nuvem”, a chamada cloud. Durante este ano, a contratação de 100 profissionais assentou, sobretudo, nas áreas da engenharia, vendas, gestão de produto e experiência do utilizador.

Agora, a ideia é reforçar novamente a força de trabalho, graças ao “seu crescimento de negócio e expansão de operações”. As candidaturas podem ser submetidas por via digital.

“Para tal, a empresa está a apostar em parcerias com várias universidades, assente no lançamento de uma academia, aceleradora de recrutamento e desenvolvimento profissional de recém-licenciados. A empresa está também ativamente a trabalhar no recrutamento em Portugal de profissionais com experiência e competências muito específicas, e na deslocalização de engenheiros de software de mercados internacionais que veem com muito interesse a possibilidade de continuar as suas carreiras no nosso país”, sublinha a Talkdesk.

De acordo com a Crunchbase, a Talkdesk já recebeu um investimento total de 24,45 milhões de euros e terá em torno de 250 trabalhadores. Foi fundada em outubro de 2011 por dois portugueses, Tiago Paiva e Cristina Fonseca.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Talkdesk já contratou 100 este ano. Agora, quer outros 100

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião