“Bitcoin vai implodir”. Príncipe da Arábia Saudita compara bitcoin à fraude da Enron

  • ECO
  • 23 Outubro 2017

Al-waleed Bin Talal é um bilionário com experiência em investimentos tecnológicos como o Twitter. Junta-se aos céticos na bitcoin, alertando para uma bolha eminente dada a falta de regulação.

Al-Waleed é um investidor com participações em muitas empresas tecnológicas, mas é cético quanto às moedas digitais, nomeadamente a bitcoin. “Vai implodir um dia”, afirma o príncipe da Arábia Saudita. A falta de regulação fá-lo comparar a ascensão da bitcoin à energética Enron, a empresa americana que conseguiu esconder as suas dívidas até que acabou por falir.

“Eu não acredito na bitcoin. Acho que vai simplesmente implodir um dia. Penso que é uma nova Enron”, disse o príncipe Al-Waleed da Arábia Saudita em entrevista à CNBC. “Simplesmente, não faz sentido. Esta coisa não está regulada, não está sob controlo ou supervisão” de nenhum banco central, observou o bilionário.

Acho que vai simplesmente implodir um dia. Penso que é uma nova Enron.

Príncipe Al-Waleed

Investidor de tecnológicas early-stage

Antes do príncipe Al-Waleed, já outras personalidades do mundo financeiro tinham manifestado a sua descrença relativamente a esta moeda digital. Jamie Dimon, o CEO do JPMorgan Chase, foi um dos últimos. “É uma fraude“, disse, acrescentando que os empregados do banco que considerassem investir neste ativo seriam despedidos por serem “estúpidos”.

"É uma fraude”

Jamie Dimon

CEO JP Morgan

Em Portugal, foi Vítor Constâncio, o vice-presidente do BCE, a demonstrar o ceticismo. “Bitcoin não é uma moeda. É uma forma de especulação“, declarou. Também o Governo chinês se tem demonstrado adverso à transação desta moeda e já proibiu mesmo proibição as ofertas iniciais de moeda no país, no passado mês de setembro.

A bitcoin tem atingido sucessivos recordes. Neste momento está a cotar nos 5.684 dólares, um aumento de cerca de 36% desde o início do mês e de quase 500% desde o início do ano. Chegou a superar a fasquia dos 6.000 dólares, atingindo um recorde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Bitcoin vai implodir”. Príncipe da Arábia Saudita compara bitcoin à fraude da Enron

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião