BTC China deixa de processar transações. Bitcoin afunda mais

  • Ana Batalha Oliveira
  • 14 Setembro 2017

A BTC China vai deixar de mediar trocas de bitcoin na China no final deste mês, cedendo às pressões do Governo. Moeda regista maior ciclo de quebras em mais de um ano.

Esta quinta-feira, a BTC China, um dos principais operadores de bitcoin, anunciou que não irá mediar mais transações desta moeda. O anúncio acontece dias após terem sido notícia os planos do banco central chinês para proibir esta atividade no país, depois de ter também proibido as ofertas públicas iniciais de moeda. A moeda virtual soma perdas pela quinta sessão consecutiva — o período mais longo de quedas em mais de um ano.

A BTC China não vai permitir mais transações a partir do final do mês nem aceitar novos registos a partir de agora. De acordo com as declarações à Bloomberg, a decisão foi feita depois de “ponderar cuidadosamente” a proibição das ofertas iniciais de moeda em território chinês, oficializadas a 4 de setembro. Era uma operação usada por muitas empresas como forma de angariação de capital.

No início desta semana, soube-se que o banco central chinês estará a ponderar proibir as transações de bitcoin através destes operadores, deixando as transações diretas como a única opção de circulação da moeda dentro do país. É uma medida que poderá provocar um golpe de cerca de 150 mil milhões de dólares neste mercado. Existem ainda dois outros grandes operadores para além do BTC China: o OKCoin e o Huobi.

A Bitcoin está a cair 8,28% esta quinta-feira, a quebra mais acentuada desde finais de julho. Vale agora 3.575 dólares, quando estava nos 4.880 no dia 1 de setembro. Desde o início do mês, as perdas acumuladas são de mais de 20%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BTC China deixa de processar transações. Bitcoin afunda mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião