Bitcoin sobe, sobe, sobe…. Quem dá mais?

Analistas em desacordo quanto ao valor da bitcoin no curto, médio e longo prazo. Há previsões para todos os gostos e apostas para daqui a uma década. Spoiler alert: o valor é alto.

Analistas sem consenso quanto ao verdadeiro potencial da bitcoin

A bitcoin renovou máximos históricos na semana passada, com a moeda a bater o pico dos 4.477 dólares. A divisa virtual, nascida nos confins da internet, mantém-se assim na boca do povo e, por isso, todos têm uma palavra a dizer. Mais propriamente sobre o valor que vai atingir nos próximos meses. Há estimativas de todas as formas e feitios, o que leva à pergunta: quem dá mais?

Não há grande consenso. As previsões variam no valor e no prazo, mas dão arrepios a quem tem vertigens. Juntando a alta volatilidade deste ativo, parece impossível prever quanto valerá uma bitcoin no final do ano, ou mesmo daqui a três ou dez anos. De acordo com a Bloomberg, o único ponto de convergência entre os analistas parece ser o de que haverá “alguma resistência” entre os 4.500 e os 4.800 dólares. A moeda deverá recuar para ganhar balanço e, depois, continuar a ascensão.

A agência falou com alguns dos analistas que já assumiram posições face à moeda virtual e descentralizada, que escalou cerca de 180% nos primeiros seis meses deste ano. No curto prazo, a Fundstrat Global Advisors e o GFI Group preveem que a moeda encerre o ano a valer 6.000 dólares.

Estendendo o prazo, a Standpoint Research coloca a bitcoin a valer 7.500 dólares em 2018. Mas, em contrapartida, para GFI Group, nessa altura a moeda já valerá 10.000 dólares, indica a agência.

No longo prazo, a Fundstrat Global Advisors estima que a moeda escale até aos 25.000 dólares em 2022. E há também quem faça previsões para 2027: para a Standpoint Research, uma bitcoin deverá valer 50.000 dólares daqui a uma década.

No início de julho, o Goldman Sachs previa que a bitcoin ainda ia dar um trambolhão antes de registar novos recordes, o que não se materializou concretamente. Ainda assim, as estimativas mais recentes do banco mantêm-se apertadas, com Sheba Jafari a alertar para a hipótese de a divisa desvalorizar 40% antes de chegar aos 4.827 dólares.

A bitcoin tem vindo a beneficiar da sua própria popularidade. Com uma oferta muito limitada e uma procura que parece não ter fim, o preço tem vindo a subir a uma velocidade estonteante, havendo também quem tema estar perante uma bolha prestes a implodir.

De qualquer forma, segundo a Bloomberg, vêm aí melhorias à tecnologia em novembro. O objetivo será acelerar a velocidade do processamento das transações, um dos problemas que a comunidade tem vindo a enfrentar nos últimos tempos.

Bitcoin ultrapassou a fasquia dos 4.000 dólares

Fonte: Bloomberg

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bitcoin sobe, sobe, sobe…. Quem dá mais?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião