Depois da subida astronómica, bitcoin literalmente chega ao espaço

  • Bloomberg
  • 19 Agosto 2017

Adjetivos relativos ao espaço são frequentemente usados para descrever o aumento estratosférico do preço do bitcoin. Agora, pode haver alguma verdade nessas analogias.

A Blockstream planeia garantir acesso ao livro-razão digital que sustenta a moeda criptografada através de um sinal de satélite para que pessoas sem acesso à internet ou em lugares onde a largura de banda seja cara possam negociar bitcoin. A empresa também anuncia o serviço como uma camada adicional de confiabilidade para os dados do blockchain do bitcoin em caso de interrupção da rede.

O bitcoin subiu mais de 50% desde o início do mês. Um plano para retirar alguns dados da rede principal foi ativado na semana passada, na tentativa de acelerar a execução da negociação e ampliar o acesso, o que ajudou a estimular o otimismo. O preço disparou para o recorde de 4.449,90 dólares na terça-feira, depois recuou.

“Com mais utilizadores a acederem ao blockchain do bitcoin com a transmissão gratuita do satélite da Blockstream, esperamos que o alcance global estimule mais casos de adoção e uso para o bitcoin e que também fortaleça a robustez geral da rede”, escreveu o cofundador da Blockstream, Adam Back, num comunicado enviado por email.

As estações terrestres, chamadas de “teleportos”, vão transmitir os dados públicos do blockchain do bitcoin aos satélites da rede, que depois transmitirão os dados para grandes áreas em todo o planeta, afirmou a empresa.

A rede atualmente é composta por três satélites que cobrem África, Europa, América do Sul e América do Norte. A Blockstream afirmou que pretende “chegar a quase todas as pessoas do planeta” até ao fim de 2017.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da subida astronómica, bitcoin literalmente chega ao espaço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião