Sem o JPMorgan da bitcoin, as bolsas têm poucas transações

  • Bloomberg
  • 13 Agosto 2017

Embora os investidores sejam atraídos pelos ganhos registados e pela volatilidade, as maiores instituições estão renitentes em entrar, o que gera mais preocupações em relação à liquidez.

A bitcoin precisa de Josh Brown “Downtown” mais do que ele precisa da bitcoin. Brown, CEO da Ritholtz Wealth Management e autor de um blog financeiro famoso, há muito que tem vindo a mostrar ceticismo em relação à moeda digital. É verdade que comprou alguma, reconheceu, “porque essa coisa maldita não vai desaparecer”, justificou.

Ainda assim, Brown, que ajuda a administrar 500 milhões de dólares, ainda não é um convertido, especialmente no que diz respeito às medidas de segurança das bolsas de bitcoins. Ele estudou várias antes de comprar as suas bitcoins com a Coinbase e não ficou impressionado, disse em entrevista. “Não acho que exista algum serviço mais seguro que o outro. É muito cedo para declarar qualquer uma delas como o JPMorgan da bitcoin. Não acho que exista.”

Estas preocupações são o maior obstáculo ao crescimento do mercado de moedas criptografadas como a bitcoin ou o ether, a segunda maior moeda. Embora os investidores sejam atraídos pelos ganhos registados e pela volatilidade, as maiores instituições estão renitentes em entrar, o que gera mais preocupações em relação à liquidez. O desafio para casas de câmbio como a Coinbase e a Gemini Trust é convencer os grandes atores financeiros de que o mercado de 121 mil milhões de dólares para ativos digitais cumpre os padrões do século XXI.

Os perigos são evidentes. A 21 de junho, o ether caiu de 17,81 dólares para 0,10 dólares nas negociações na Coinbase. O motivo foi uma única negociação de 12,5 milhões de dólares — uma das maiores já realizadas — que desencadeou mais vendas. Tudo aconteceu em apenas 45 milissegundos e depois desse período os algoritmos de computador começaram a comprar, o que elevou os preços novamente para 300 dólares em dez segundos. Algumas casas de câmbio de moedas digitais entraram em colapso e os recursos de alguns clientes desapareceram. Tudo isso assusta e afasta os mesmos investidores que essas casas de câmbio precisam para ter sucesso.

A Cumberland Mining, uma unidade da empresa de negociação de alta frequência DRW Holdings, com sede em Chicago, administra vários pedidos grandes de forma privada “porque as casas de câmbio e outros mercados não conseguem gerir esse tipo de liquidez ou não possuem esse tipo de liquidez”, afirmou Bobby Cho, trader de moedas criptografadas da Cumberland. “O mercado é tão fragmentado que a liquidez é fragmentada.”

No coração do comércio de bitcoin está o blockchain, uma espécie de livro-razão distribuído que também é promovido, alto e bom som e com frequência, como a cura para os mercados que aceleraria as compensações, eliminaria atrasos onerosos por operações contestadas e reduziria os custos de capital para os bancos.

Quando Brown comprou as suas bitcoins não sabia que a compra não era garantida pelo blockchain, e sim realizada apenas internamente na Coinbase. Isso gera uma pressão extra sobre os mercados para manter a segurança contra hackers e ladrões. Depois de Brown escrever sobre a compra de bitcoins no seu blog, “as pessoas começaram a gritar que a ‘Coinbase não é para armazenamento!’”, disse ele. Em resposta, um amigo ajudou-o a montar uma carteira para manter as suas bitcoins que é garantida pelo blockchain.

É como o Velho Oeste, isto ainda é muito incipiente”, disse Richard Johnson, analista de estrutura de mercado da Greenwich Associates especialista em blockchain. Johnson concordou que o tempo necessário e a complexidade da transferência das moedas digitais de uma casa de câmbio para outra “não são aceitáveis” considerando a forma em que os investidores modernos operam, e que embora a Gemini, a GDAX da Coinbase e outras casas de câmbio dos EUA possuam procedimentos sólidos de verificação do cliente, é preciso fazer mais. “Se as pessoas quiserem tornar isto sério para ter transações bancárias reais é preciso que seja melhor e mais fácil de usar.”

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Sem o JPMorgan da bitcoin, as bolsas têm poucas transações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião