China planeia novo golpe na bitcoin

  • ECO
  • 11 Setembro 2017

A China tenciona proibir as transações de bitcoin nos principais operadores do país. Moeda ainda não sofre com a decisão, mas o mercado antecipa uma redução significativa no volume das transações.

A China terá planos para proibir as transações de bitcoin e outras moedas virtuais através dos principais operadores do país. Isto deverá provocar um novo golpe de cerca de 150 mil milhões de dólares neste mercado, ou 125 mil milhões de euros, depois de o país ter proibido as ofertas públicas iniciais da moeda na semana passada, um mecanismo muito popular entre as empresas como fora de angariação de capital.

Segundo informações avançadas pela Bloomberg, a proibição será aplicada apenas nas transações nos operadores chineses, mas as transações diretas, sem recurso a um intermediário, não deverão ser afetadas pela medida. Contactado, o banco central chinês não quis comentar os rumores. A China representa 23% do mercado de bitcoin, onde se encontram algumas das carteiras de bitcoin mais recheadas.

Zhou Shuoji, sócio fundador da FBG Capital, empresa que investe nestas divisas, garante que “o volume de negócios definitivamente diminuirá”. “Os utilizadores mais antigos continuarão a negociar certamente, mas o mínimo de entrada para os novos utilizadores é agora bastante alto. Isso retardará o desenvolvimento das moedas virtuais na China”, acrescenta.

A OKCoin, a BTC China e a Huobi, os três maiores operadores de transações de bitcoin o país, ainda não terão recebido qualquer aviso sobre eventuais proibições. Esta segunda-feira ainda era possível fazer transações através destes operadores.

Ao final da manhã, o valor da bitcoin ainda não tinha sofrido o impacto desta notícia. A moeda desvalorizava 2,68% para 4.174,51 dólares, de acordo com informações da Bloomberg, uma queda ‘normal’ dada a alta volatilidade deste ativo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

China planeia novo golpe na bitcoin

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião