Alemanha: desemprego atinge mínimos desde a reunificação

Durante este ano, a taxa de desemprego da Alemanha caiu para os 5,4%. Atualmente o país regista 2,39 milhões de pessoas desempregadas, o número mais baixo desde a reunificação do país.

A Alemanha tem motivos para se orgulhar, parece que está mesmo no bom caminho. A taxa de desemprego alemã continua a cair, e está atualmente nos valores mais baixos desde a reunificação do país, segundo avança o Le Monde (conteúdo em francês, acesso livre).

De acordo com dados publicados esta quinta-feira pela Agência Federal de Emprego, o número de desempregados no país reduziu 150 mil este ano, ficando abaixo da marca dos 2,5 milhões de pessoas. Atualmente, o país de Angela Merkel regista 2,39 milhões de pessoas sem emprego, um novo recorde desde a sua reunificação. A taxa de desemprego caiu 0,1 pontos percentuais, para os 5,4%.

O bom desempenho do mercado de trabalho continua“, disse Detled Scheele, diretor da Agência Federal de Emprego. Essa queda da taxa de desemprego deve-se especialmente à força da economia alemã e à procura de trabalhadores pelas empresas, que voltou a aumentar. De acordo com vários institutos de análise económica do país, a tendência de crescimento alemã deve continuar durante os próximos dois anos.

No espaço de um ano, foram criados 655 mil postos de trabalho na Alemanha e, atualmente, 32,4 milhões de pessoas têm um contrato de trabalho regular. A Câmara de Comércio e Indústria alemã espera que esta tendência se mantenha no próximo ano e prevê a criação de 600 mil postos de trabalho em 2018.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alemanha: desemprego atinge mínimos desde a reunificação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião