Moody’s: Zona Euro vai crescer mais. “Culpa” é da Alemanha, França e Itália

  • ECO
  • 30 Agosto 2017

A agência de rating atualizou as previsões de crescimento para a Zona Euro, com destaque para o desempenho de países como a Alemanha, França e Itália.

A Moody’s reviu em alta o desempenho da União Europeia. A agência prevê um crescimento de cerca de 0,3 pontos percentuais mais rápido na Zona Euro em 2017 e 2018. Após um crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,6% em 2016, a Moody’s aponta para uma evolução do mesmo indicador de 2,1% em 2017 e de 1,9% em 2018.

A agência norte-americana justifica, o seu relatório de Previsão Macroeconómica Global esta quarta-feira, 30 de agosto, que na base da revisão em alta do crescimento para a área do euro estão as suas previsões para desempenho das grandes economias da regisão, nomeadamente a Alemanha, França e Itália.

A agência de rating aponta para um crescimento do PIB alemão de 2,2% para 2017 e de 2% para o ano seguinte. A Moody’s reviu o crescimento de França, subindo as previsões de crescimento real do PIB de 1,3% para 2017 e de 1,4% para 2018 para 1,6% para ambos os anos. Segundo nota de imprensa, esta revisão deve-se a uma recuperação motivada pelas exportações líquidas e por investimentos. Para Itália, as previsões de crescimento do mesmo indicador de 0,8% e 1% para 2017 e 2018 respetivamente subiram para 1,3% para ambas as datas.

Madhavi Bokil, vice presidente da Moody’s e autor do relatório, refere que “os indicadores de pesquisa nos países da zona euro sugerem que o crescimento deve acelerar durante o resto do ano”, segundo nota. Bokil refere ainda que a recuperação pode ser motivada pelo indicador de confiança do consumidor, que se encontra em máximos de 16 anos.

Já para os EUA, os números da agência de classificação norte-americana preveem uma realidade diferente. O esperado crescimento de 2,4% e de 2,5% para 2017 e 2018 respetivamente foi atualizado para uma evolução de 2,2% e 2,3%, respetivamente. A revisão em baixa para 2017, segundo a Moodys, deve-se ao fraco desempenho do país no primeiro semestre do ano; a reavaliação do crescimento para o ano seguinte foi motivado por expectativas de um estímulo fiscal mais baixo do que o esperado.

O mesmo documento contempla ainda uma taxa de crescimento anual das economias do G20 acima dos 3% para 2017 e 2018, um valor acima dos 2,6% registados no ano passado.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Moody’s: Zona Euro vai crescer mais. “Culpa” é da Alemanha, França e Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião