Santana acusa Rio de incoerência na vida política

  • ECO
  • 3 Novembro 2017

"A minha estabilidade é o meu amor ao partido, a dos outros é só quando lhes convém", diz Santana Lopes, relembrando o ano em que Rui Rio escolheu apoiar um candidato independente ao invés do do PSD.

Santana Lopes ataca Rui Rio e mostra-se confiante na vitória contra o opositor na corrida à liderança do PSD. Depois de ser acusado de ser o candidato “menos estável” pelo concorrente, Santana atribui as críticas a um “nervosismo” e acusa-o de incoerência.

Santana Lopes está convicto que sairá vencedor das diretas de 13 de janeiro uma vez que diz ter o apoio maioria dos líderes das distritais, muitos presidentes de câmara e de deputados. Apesar de afirmar que não queria falar de Rui Rio na entrevista que deu à CMTV, Santana Lopes acabou por fazer várias referências ao seu opositor.

A minha estabilidade é o meu amor ao partido, a dos outros é só quando lhes convém.

Santana Lopes

Candidato à liderança do PSD

Santana aponta falta de coerência a Rui Rio ao apoiar a candidatura de Rui Moreira à Câmara do Porto em 2013, candidato independente, ao invés de apoiar o candidato do PSD. “Rigor é isto, é na palavra, nas atitudes, na coerência”, afirma Santana, garantindo que a sua “estabilidade é o meu amor ao partido, a dos outros é só quando lhes convém”.

Em resposta à acusação de nunca ter levado até ao fim um cargo, Santana Lopes relembra que Rio interrompeu o mandato como secretário-geral do PSD e por várias vezes desistiu da candidatura para a liderança do partido e até para a Presidência da República.

O ex-provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa fez ainda comparações em termos de conquistas. Relembra ter deixado o cargo na SCML com a instituição a subir nas receitas e com menos despesa. Destaca esta experiência pelo contacto com a “realidade social do país”. Da sua obra, referiu ainda o fim da prostituição em Monsanto, os túneis do Marquês de Pombal, a construção do Centro Cultural de Belém e os arquivos distritais por todo o país.

As promessas de Santana

Santana diz querer aproximar os portugueses do rendimento per capita da União Europeia até 2025, acabando desta forma com a “geração mil euros”. Propõe fazê-lo através da atração de investimento privado. Nas suas prioridades, tem ainda a descentralização de serviços e de ministérios, que na sua opinião é “dar ao país os direitos que Lisboa tem”.

Em relação ao futuro, Santana prefere não falar “do diabo” — quer apenas que o PSD mereça “ser alternativa ao governo de frente de esquerda”. No caso de ser eleito, promete unir o partido, sem excluir o concorrente que agora enfrenta.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santana acusa Rio de incoerência na vida política

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião