Costa: Portugal deve ser conhecido como “um país moderno”

Num artigo de opinião publicado no Diário de Notícias, o primeiro-ministro rende-se às hashtags e realça que cabe ao Governo criar as "melhores condições" para um ambiente propício "ao futuro".

Venham de lá essas hashtags“, escreve António Costa. Num artigo de opinião publicado este domingo no Diário de Notícias, o primeiro-ministro sublinha a importância do Web Summit para a afirmação de Portugal como destino preferencial para as empresas acabadas de criar.

“Queremos afirmar Portugal como um dos melhores destinos do mundo para incubar novos projetos, para testar produtos e serviços para depois os tornar globais”, esclarece António Costa.

O futuro é já hoje, é agora. Juntos, seremos capazes de fazer a diferença. A nós, responsáveis políticos, cabe-nos criar as melhores condições para que este ambiente seja cada vez mais propício.

António Costa

Em artigo de opinião publicado no DN

“Muitos dos que estiveram em Lisboa na edição do ano passado seguramente voltam este ano”, assegura o primeiro-ministro, acrescentando que também eles testemunharam a mudança estrutural no país.

Portugal mudou e mudou para melhor. (…) Temos agora um tecido empresarial mais forte. As empresas têm vindo a diminuir os níveis de endividamento e estão a investir, cada vez mais, capitais próprios, criando emprego e reforçando a sua saúde económica e financeira. Em apenas uma década, o turismo cresceu 86% na Grande Lisboa 136% no Grande Porto e 53% a nível nacional“, detalha António Costa.

No artigo de opinião, o primeiro-ministro diz ainda que Portugal tem atualmente “melhores condições para o talento e a criatividade germinarem”, “mais empreendedores”, “mais veia empresarial”, “mais quem arrisque”, “mais laboratórios científicos” e maior “capacidade de atrair e fixar cérebros”. “(…) atraímos inclusivamente mais jovens de outros países que querem vir para o nosso”.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: Portugal deve ser conhecido como “um país moderno”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião