Nova lei promete acelerar listas de espera das cirurgias

  • ECO
  • 5 Novembro 2017

Os hospitais públicos já podem criar equipas pagas consoante o número de consultas e cirurgias efetuadas. Medida promete acelerar listas de espera e tempo de resposta das consultas.

É uma lufada de ar fresco para os administradores hospitalares: foi publicada em Diário da República regulamentação que permitirá aos médicos em hospitais públicos criarem equipas que são pagas consoante o número de consultas ou cirurgias realizadas, uma matéria em discussão há já praticamente três décadas. A notícia foi avançada pelo Diário de Notícias.

Segundo o jornal, a nova lei vem regulamentar os chamados Centros de Responsabilidade Integrados (CRI). Em linhas gerais, são como “contratos assinados com as administrações hospitalares, com objetivos estabelecidos e pagamentos adicionais quando são alcançados”, explica o jornal na edição deste domingo. A medida promete ainda acelerar as listas de espera para cirurgias e reduzir os tempos de resposta com as consultas externas.

Nestas equipas poderão entrar não só médicos como também enfermeiros, assistentes técnicos e assistentes operacionais. A coordenação do grupo fica a cargo de um diretor, que terá de ser, segundo a lei, um “médico de reconhecimento mérito”. Em causa, a assinatura de um contrato com as administrações dos hospitais públicos que estabelecerá compromissos de trabalho ao nível da produção e de resultados financeiros.

Os profissionais nestas equipas ficam, no entanto, sujeitos a um regime de exclusividade, embora os hospitais possam dispensar desta exigência até 20% do pessoal de cada equipa. Segundo o Diário de Notícias, esta medida, assinada pelo secretário de Estado da Saúde, Manuel Salgado, está a ser bem recebida por parte dos administradores hospitalares. Ao jornal, Alexandre Lourenço, presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), disse: “O trabalho de equipa consegue-se com pessoas que trabalham umas com as outras, portanto é normal que não se recorra a prestações de serviços” — isto é, a alternativa em vigor até aqui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova lei promete acelerar listas de espera das cirurgias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião