CES critica alterações ao regime simplificado de IRS

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 7 Novembro 2017

Alteração "traduzir-se-á num aumento de IRS" para "trabalhadores independentes e pequenas estruturas empresariais" com "um volume de negócios reduzido", critica o CES no seu parecer ao OE2018.

O Conselho Económico e Social (CES) critica as alterações ao regime simplificado de IRS que o Governo prepara para o próximo ano. No seu parecer ao Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), o CES afirma que as mudanças vão traduzir-se “num aumento de IRS e de custos” para trabalhadores independentes e “pequenas estruturas empresariais” com “um volume de negócios reduzido”.

“A alteração do regime simplificado de IRS para trabalhadores independentes e pequenas estruturas empresariais, traduzir-se-á num aumento de IRS e de custos para estes profissionais com um volume de negócios reduzido, afastando-se assim da generalidade dos outros países que têm regimes simplificados. O CES alerta em especial para as consequências negativas das alterações propostas no que diz respeito aos trabalhadores independentes, em que se incluem os agricultores”, indica o parecer, conhecido dois dias antes do CES ser ouvido na Comissão de Orçamento e Finanças.

Depois das críticas de vários quadrantes, o Governo já admitiu alterar esta proposta na especialidade.

No que toca ao IRC, não há mexidas, nomeadamente nas tributações autónomas, que “configuram um verdadeiro imposto sobre as despesas empresariais e que atualmente representam um significativo encargo fiscal”, critica ainda este órgão constitucional de consulta e concertação social.

Os conselheiros também entendem que a “correção de distorções no mercado ou nos hábitos dos portugueses não deve ser feita apenas com base na política fiscal, mas também através da autorregulação, informação e sensibilização do consumidor”. O Governo quer avançar com um novo imposto sobre alimentos com elevado teor de sal, mas o PCP também já defendeu que não é por via fiscal que a questão deve ser corrigida.

O documento abrange áreas diversas, ainda que os conselheiros voltem a apontar o dedo ao pouco tempo dado para a elaboração do parecer. O CES entende que a consignação de uma parte de receita do IRS ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social (FEFSS) não substitui o compromisso de diversificar fontes de financiamento. E diz que o nível de proteção social dos desempregados é baixo, defendendo assim que se discuta o acesso antecipado à pensão para carreiras contributivas longas.

Outra área de preocupação é a Saúde, que continua subfinanciada, diz o CES. Já na área do ambiente e território, e depois dos incêndios recentes, o relatório do OE2018 “revela-se parco em medidas concretas, nomeadamente ao nível organizacional, proclamado um conjunto de intenções gerais e fixando um volume de despesa no domínio «proteção civil e luta contra incêndios» que, aponta para valores orçamentados que pouco se afastam dos do ano anterior”. A prevenção de incêndios florestais exigem atenção prioritária do Governo, nota ainda o parecer. Em declaração de voto, o representante das Associações de Consumidores frisa que “resta pouquíssimo tempo — 6/7 meses no máximo — para evitar que tais episódios”, referindo-se aos incêndios recentes, “voltem a colocar-se, em 2018, com gravidade equiparável à experiência recente”.

Na Função Pública, é preciso ir mais longe, “designadamente na reposição das carreiras e dos salários dos trabalhadores”, refere ainda o Conselho presidido por Correia de Campos. E no âmbito da política energética, deve ser aprofundado o processo de revisão do mecanismo legal dos Custos de Manutenção dos Equilíbrios Contratuais (CMEC) e criadas as condições para que os consumidores possam optar por tarifas reguladas no setor do gás natural, à semelhança do que acontece no setor elétrico.

Previsões macro são credíveis, mas há incertezas no plano internacional

O CES entende que as previsões macroeconómicas, relativas a 2018, “afiguram-se de um modo geral credíveis, sendo que o maior grau de incerteza se relaciona com a evolução da economia internacional e, em especial, dos países do euro”. Aqui aponta para os acontecimentos na “vizinha Espanha” — que podem “vir a repercutir-se em Portugal, dado o peso que aquele país tem no nosso comércio externo” — e para o impacto do Brexit, que “poderá começar a ser sentido já em 2018”. Por outro lado, “os pressupostos em que são calculados os termos de troca de Portugal com o exterior poderão vir a ser menos favoráveis ao nosso país do que o previsto”, adianta ainda.

A meta de 1% de défice também é “realista e concretizável” e “não força sequer o Governo a ter que adotar um grande número de medidas adicionais para a conseguir atingir, permitindo-lhe manter uma expectativa de crescimento acima dos 2%”.

O país está em condições de inverter a tendência de subida da dívida, mas “apostar numa evolução demasiado acelerada teria repercussões no crescimento da economia”, avisa o CES. Os conselheiros entendem “que o Governo deve negociar junto da União Europeia a redução de juros e o alargamento das maturidades quando isso for mais favorável e substituir, sempre que possível, dívida mais cara por dívida mais barata, aproveitando, em especial, as atuais condições favoráveis de mercado, mesmo que isso, momentaneamente, possa aumentar o montante da dívida existente (pela diferença temporal entre as duas transações”.

O parecer contou com a abstenção do representante do Ministério das Finanças.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

CES critica alterações ao regime simplificado de IRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião