Startup AgroTech desenvolve sensores para detetar variáveis ambientais nos solos

  • Lusa
  • 8 Novembro 2017

Os sensores desenvolvidos pela startup brasileira têm como objetivo detetar no solo variáveis ambientais como água, nutrientes presentes na terra, tendo como foco a utilização na agricultura.

A ‘startup’ brasileira AgroTech desenvolveu sensores para colocar nos solos que monitorizam variáveis ambientais, como água e nutrientes presentes na terra, e tem como foco a agricultura, disse à Lusa a diretora executiva, Daniella Meirelles.

Numa entrevista à Lusa na conferência tecnológica Web Summit, a diretora, Daniella Meirelles, afirmou que a ‘startup’ é um dos seguimentos da empresa Envimote que permite aos cidadãos controlar quando os solos mais precisam de água, nutriente, adubos e pesticidas.

O objetivo é colocar os sensores desenvolvidos pela instituição nos solos para que estes detetem “simultaneamente cada vez mais nutrientes”.

De acordo com Daniella Meirelles, estes sensores “ajudam a reduzir o custo das lavouras, porque conseguem identificar quando e onde adubar e regar”, reforçando que também é possível prever quando e onde os agricultores devem usar os pesticidas.

Esta iniciativa “ajuda na economia”, disse a diretora executiva, referindo que os agricultores, através dos sensores colocados nos solos, conseguem saber quais são as carências da terra e, deste modo, apenas colocam no solo o necessário e na altura certa, não correndo o risco de errar.

A realização do ‘hardware’ e do ‘software” dos referidos sensores demorou cerca de dois anos.

“No mercado há sensores deste género, mas os existentes apenas conseguem ler um nutriente”, enquanto os AgroTech leem todos os nutrientes presentes nos solos sendo, assim, os “únicos no mercado”, realça a diretora da empresa.

Estes sensores vão ter um custo de aproximadamente 26,50 euros enquanto os que já estão disponíveis no mercado e que apenas têm a capacidade para lerem um nutriente têm valor de cerca de 52,75 euros.

Fora este projeto, a empresa Envimote está a trabalhar também para a divulgação de outros sensores, que consigam prever e alertar os cidadãos para os fogos e as inundações existentes através da temperatura.

A empresa está presente na conferência tecnológica para encontrar parceiros e investidores que a ajudem a estabelecer-se em Portugal.

Na cimeira, o organismo já conseguiu desenvolver contactos com pessoas e empresas da área e conhecer alguns sistemas de aceleração portugueses, de forma que, a vinda à Web Summit “já se pode dizer que foi bastante positiva”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup AgroTech desenvolve sensores para detetar variáveis ambientais nos solos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião