Lucros da Sonae Sierra caem. Investimento na Roménia baralha contas

O resultado líquido da empresa foi de 77,8 milhões de euros nos nove primeiros meses de 2017, 16 aquém do registado em 2016, ano que contou com o impacto favorável da abertura do ParkLake na Roménia.

A Sonae Sierra encerrou os nove primeiros meses de 2017, com uma quebra dos seus lucros. Estes recuaram 16% face ao mesmo período de 2016, altura em que contou com um efeito positivo nas suas contas resultante da abertura de um centro comercial na Roménia, segundo informou a empresa em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A empresa liderada por Fernando Guedes de Oliveira acumulou, entre janeiro e setembro, lucros de 77,8 milhões de euros, um valor que fica aquém do resultado líquido de 92,6 milhões de euros alcançado no período homólogo. “Este decréscimo de 16% deve-se sobretudo à diminuição do Resultado Indireto, que nos primeiros nove meses de 2016 contou com o impacto favorável da abertura do ParkLake, na Roménia“, explica a empresa do setor imobiliário no comunicado. Ainda assim a Sonae Sierra explica que “o Resultado Indireto foi parcialmente compensado pelo aumento das margens nos Serviços e pelo Resultado Direto do portefólio da Empresa no Brasil”.

O Resultado Direto subiu 12%, para os 45,2 milhões de euros, “valor que reflete um maior EBIT em todo o portefólio da Sonae Sierra na Europa e no Brasil e melhores Resultados Financeiros”, segundo a empresa. Por sua vez, o Resultado Indireto, de 32,5 milhões de euros, registou uma quebra de 19,8 milhões em relação aos primeiros nove meses do ano passado, “devido sobretudo à diminuição dos ganhos realizados com vendas”.

A Sonae Sierra explica ainda que reforçou a sua atividade de prestação de serviços no terceiro trimestre de 2017, através da assinatura de novos contratos com clientes e investidores. “Este ano já foram assinados 119 contratos de serviços de desenvolvimento, 12 para serviços de gestão de centros comerciais e 14 para serviços de gestão de investimentos“, diz a Sonae Sierra.

(Notícia atualizada às 18h53 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros da Sonae Sierra caem. Investimento na Roménia baralha contas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião