Governo quer garantir que trabalho de estudantes em férias não prejudica acesso a apoios

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 9 Novembro 2017

O ministro do Trabalho diz que o Governo quer garantir que o trabalho de estudantes em período de férias não prejudica o acesso a prestações sociais como o abono de família.

O Governo quer garantir que o trabalho de estudantes em período de férias não prejudica o acesso a prestações sociais como o abono de família. Falando perante os deputados, o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, começou por explicar que esta matéria não está regulamentada e que o Orçamento do Estado “dá um primeiro passo no plano fiscal”, que o Executivo quer prosseguir na área da Segurança Social.

O trabalho de estudantes em período de férias “não é regulamentado em Portugal”, afirmou o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, acrescentando que “utiliza mecanismos contratuais que não são típicos desse tipo de atividades”.

O Orçamento do Estado para 2018 “dá um primeiro passo no plano fiscal que esperemos que seja prosseguido também na área da Segurança Social no sentido de permitir que os jovens estudantes nos seus períodos de férias possam desempenhar tarefas profissionais de acordo com os limites que a lei estabelece” e que “não os penalize do ponto de vista do acesso a um conjunto de prestações sociais”, nomeadamente mantendo o direito ao abono ou a bolsas nos casos em que estes são aplicáveis.

Recorde-se que o abono de família é um apoio social que depende de condição de recursos e que, por isso, só é atribuído a famílias com rendimentos abaixo de determinados limiares.

Vieira da Silva quer ainda garantir que “famílias não sejam penalizadas” nos “escalões de IRS”. Não avançou porém, como serão concretizadas as medidas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo quer garantir que trabalho de estudantes em férias não prejudica acesso a apoios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião