Costa: “Estamos confiantes no OE que apresentámos e na capacidade de o executar”

Primeiro-ministro diz que a perspetiva de quem conduz o carro é diferente da de quem observa a condução. Mas garante estar confiante apesar das dúvidas da Comissão.

António Costa diz estar confiante “no orçamento apresentado e na capacidade de o executar”. Questionado esta tarde, no Altice Arena, sobre as dúvidas colocadas esta manhã pela Comissão Europeia, António Costa mostrou confiança. “Estamos tranquilos. Se compararmos o que a Comissão disse hoje com o que disse no passado, vemos que neste momento os receios são menores. O presidente da Comissão disse na semana passada ser uma ‘pequena questão’. Estamos confiantes no orçamento que apresentámos e na capacidade de o executar”, sublinhou.

“É muito encorajador ver que a Comissão Europeia se vai aproximando da confiança que temos quanto ao crescimento da economia, quanto à redução do desemprego e quando o foco está menos no cumprimento das regras do défice e hoje está sobretudo no ritmo do crescimento e na criação de emprego. Isso é muito positivo”, acrescentou o primeiro-ministro.

“É natural que quem está a conduzir a viatura saiba bem como é que a vai conduzir. Quem está a observar a condução tem obviamente um ponto de vista diferente que não tem em conta os recursos que o motor tem para a condução da viatura. Se compararmos os sinais dados pela Comissão Europeia com os que deu em 2017 e, em 2016, vemos que estamos muito longe das preocupações que estavam nessa altura. Podemos viver todos com tranquilidade, com confiança que temos assegurado de que conseguiremos a perseguir as boas políticas que têm dado bons resultados”, afirmou o primeiro-ministro.

“Respeito obviamente todos os conselhos e é preciso perceber qual é o papel de cada um nos sistemas. O papel, por natureza, do Conselho de Finanças Públicas é ter uma visão conservadora, por dentro, em relação ao futuro. E no dia em que não for assim estamos mal. Agora, o papel do Governo é, obviamente, ter em atenção os riscos mas concentrar-se na execução das boas políticas que têm permitido ter bons resultados”, acrescentou a respeito da reação do Conselho de Finanças Públicas.

“Temos vencido sempre as expectativas negativas e superado. O que temos visto acontecer é que aqueles que partem de uma posição mais conservadora vão-se progressivamente aproximando dos números que temos apresentado”, sublinhou.

António Costa falou aos jornalistas depois de um curto encontro com Al Gore, onde o norte-americano lamentou as perdas humanas decorrentes dos incêndios deste verão.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: “Estamos confiantes no OE que apresentámos e na capacidade de o executar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião